Turbulenta vida de neto de Malcolm X chega a trágico fim

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Malcolm Shabazz, que ficou conhecido por ter, aos 12 anos, provocado um incêndio que matou sua avó, foi agredido até a morte em um bar na Cidade do México

NYT

AP
Malcolm Shabazz, 28 anos, em foto tirada em local desconhecido

Na semana passada, Malcolm Shabazz, o neto de Malcolm X, conversava com um amigo chamado Daniel Stevens, que estava preocupado com sua carreira como rapper. Shabazz prometeu ajudá-lo, dizendo que podia fazer com que a música de Stevens fosse parar nas mãos certas. "Eu conheço muita gente", disse Shabazz.

Shabazz, que ficou conhecido por ter, aos 12 anos de idade, provocado um incêndio que matou sua avó, viúva de Malcolm X, pegou seu celular e fez algumas ligações. Vinte minutos depois, havia comprado uma passagem de avião para Los Angeles para o dia seguinte e marcado uma consulta com um produtor de Hollywood, em Beverly Hills, para falar de Stevens.

Stevens, 34 anos, levou Shabazz ao aeroporto.

Mas Shabazz fez uma parada na Cidade do México, onde morreu em 9 de maio, em uma popular região turística, depois de ter sido agredido fora de um bar, segundo disseram as autoridades. Foi um final violento para uma vida jovem e tumultuada. A polícia prendeu dois suspeitos pelo assassinato na segunda-feira (13). 

Shabazz aparentemente tinha decidido fazer essa parada no México para se encontrar com Miguel Suarez, um amigo que havia sido deportado em abril. Suarez publicou no Facebook que Shabazz era aguardado para atrair a atenção da imprensa local, aparentemente para lidar com a questão da deportação.

Shabazz, 28 anos, passou a maior parte de sua vida tentando se redimir com seu passado. Depois de se declarar culpado pelo incêndio criminoso que levou à morte de sua avó, em 1997, ele foi condenado a instituições juvenis onde passou muitos anos de sua adolescência, seguido por passagens posteriores na prisão por outros crimes.

Ele viveu à sombra de seu avô, quem nunca conheceu, e cujo legado tentou entender. Ele resolveu abraçar sua herança e, às vezes, se desviava das expectativas que o acompanhavam.

Em seu site pessoal, chamou a si mesmo de "o primeiro herdeiro de Malcolm X", que havia superado "obstáculo após obstáculo em sua vida", e desde a sua libertação da prisão tinha "viajado ao redor dos Estados Unidos e do mundo falando com diferentes públicos a respeito dos desafios que enfrentamos nesta geração”.

Ele foi levado para um hospital na quinta-feira depois de ter saído a noite perto da Plaza Garibaldi, uma área turística no centro histórico da Cidade do México, repleta de bares e restaurantes, muitos dos quais são conhecidos por tirar proveito dos turistas estrangeiros. 

A polícia prendeu David Hernandez Cruz e Manuel Alejandro Perez de Jesus, que trabalhavam como garçons no Palace Club. Shabazz teria apanhado até morrer após uma discussão sobre a conta no bar.

A polícia ainda procura outros dois funcionários do local que, segundo autoridades participaram da agressão. Shabazz teve fraturas fatais no crânio, mandíbula e costelas. 

AP
Manuel Alejandro Perez de Jesus, 24 anos, e David Hernandez Cruz, 24 anos, são fotografados após prisão na Cidade do México

Por Kia Gregory e Damien Cave

Leia tudo sobre: malcolm xmalcolm shabazzmorteviolênciaeuaméxico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas