Universo virtual de suspeitos de ataque em Boston é esmiuçado link a link

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Na era das mídias sociais, perfis dos irmãos Tsarnaev em sites fornecem material para satisfazer necessidade humana de tentar encontrar sentido do ataque

NYT

Esta foi a primeira tragédia nacional totalmente interativa na era das mídias sociais nos Estados Unidos. O atentado à Maratona de Boston rapidamente se transformaram em um mistério da internet que fizeram com que muitos detetives amadores partissem em busca de pistas sobre a identidade dos suspeitos em sites e blogs. E uma vez que a pesquisa se concentrou em Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, as publicações dos irmãos nas mídias sociais forneceram um rico material para ser analisado.

Leia mais: Suspeito de ataque em Boston estava em banco de dados da CIA há 18 meses

Tamerlan Tsarnaev: Suspeito de ataque em Boston foi influenciado por radical misterioso

AP
Tamerlan Tsameav (esq) luta contra Lamar Fenner de Chicago em campeonato de boxe (4/5/2009)

Congresso: Legisladores verificam se houve falha de inteligência em ataque em Boston

Existem mais de mil mensagens na conta do Twitter de Dzhokhar, além de uma página de perfil no VKontakte, um site de rede social popular na Rússia, e, no caso de Tamerlan (morto em troca de tiros com a polícia na semana passada), uma compilação de seus vídeos favoritos no YouTube e o uma possível lista de desejos sua na Amazon. (A Amazon não quis confirmar de quem era a lista, citando sua política de privacidade.)

Imediatamente, essas informações se tornaram pistas que as pessoas começaram a tentar conectar. Alguns detalhes confirmaram os pontos de vista de amigos e vizinhos que disseram ter ficado totalmente chocados com o possível envolvimento dos irmãos em um crime tão horrível, que deixou três mortos e mais de 200 feridos.

Viagem à Rússia: Suspeito de ataque buscou lar em território marcado por violência

Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Outras mensagens apontaram para o crescente interesse de Tamerlan Tsarnaev pelo radicalismo islâmico e um lado obscuro na aparência amigável de Dzhokhar. Ao mesmo tempo, refletem a complexidade da identidade virtual - sobre as maneiras que cada um dos indivíduos se retratam e se escondem por trás de aparências na web (que às vezes podem se tranformar em profecias) e as formas que a internet consegue aumentar ou acelerar os interesses e preocupações dos usuários.

O irmão mais novo, Dzhokhar, em particular, parecia totalmente imerso na cultura pop americana, e preocupado com o tipo de coisas que preocupam muitos jovens - meninas ("a miss Estados Unidos é tão sexy") e em se divertir ("eu sou o melhor jogador de beer pong em Cambridge. Eu sou #omelhor"). Na verdade, grande parte de suas publicações no Twitter chamam atenção por sua absoluta simplicidade - uma simplicidade que contrasta com o horror ocorrido em Boston em 15 de abril.

Perfil: Suspeitos do ataque em Boston são da região do Cáucaso russo

Ao iG: Suspeito de ataque em Boston era sociável, diz colega de faculdade

Há muitas referências a músicos como Chris Brown, Jay-Z e Michael Jackson;. programas de televisão como Breaking Bad e Game of Thrones, e filmes como Homem-Aranha e Procurando Nemo. Ele também fala a respeito de sua preferência por alimentos como Nutella e Sucrilhos, reclama de erros de digitação e de perder seu controle remoto. "Anúncios que aparecem em seu navegador do nada são uma das piores coisas do mundo, assim como mosquitos", ele publicou no Twitter no dia 17 de junho 2012.

Dadas as camadas de ironia, sarcasmo e brincadeiras muitas vezes publicadas no Twitter, pode ser difícil analisar as mensagens de um estranho. No entanto, algumas delas podem parecer ameaçadoras, levando em consideração o que sabemos a respeito deles hoje: "Quase uma década nos Estados Unidos, eu não aguento mais", "Nunca subestime o rebelde com causa" ou "Ninguém é realmente violento até que esteja andando em grupos".

Saiba mais: Cáucaso russo é terreno fértil para o terrorismo

Suspeito em interrogatório: Ataque a Boston teria motivação religiosa

Outras sugerem um certo grau de alienação adolescente: "algumas pessoas são apenas mal compreendidas pelo mundo, por isso as taxas de suicídio vêm aumentando cada vez mais.” Às vezes, Dzhokhar soa absolutamente sentimental (a não ser, é claro, quando ele está sendo irônico): "Existem minhocas suficientes para que as aves não precisem se matar por elas."

Algumas das seções do perfil de Dzhokhar no VKontakte são mais sérias. No âmbito de suas prioridades pessoais, ele descreveu: "Carreira e dinheiro." Sob visão de mundo, ele descreveu "o Islã." Há um link para um vídeo que indica indignação com a violência na Síria, e um link para um site islâmico que diz: "E fazer o bem, pois Deus ama aqueles que fazem o bem". Outro vídeo mostra um menino cego conversando com um homem mais velho, dizendo que acredita que sua cegueira será absolvida no Dia do Juízo;. o homem começa a chorar, e se pergunta quantas pessoas que enxergam são tão comprometidas com o estudo do Alcorão quanto o menino.

Vítimas do ataque em Boston:
Menino de 8 anos morto em ataque em Boston 'era cheio de vida e amava correr'
Polícia identifica mulher de 29 anos como segunda vítima de ataque em Boston
Estudante chinesa é identificada como terceira vítima de ataque em Boston

Uma mensagem no Twitter publicada por Dzhokhar Tsarnaev horas após os atentados da maratona de Boston ("Não há amor no coração da cidade, espero que todos estejam seguros"), fez com que alguns detetives amadores se perguntassem se a referência à música "Heart of the City (Ain’t No Love) de Jay-Z era uma alusão direta aos ataques de 11 de Setembro, já que o álbum que contém essa canção foi lançado no dia 11 de setembro de 2001.

AP
Dzhokhar Tsarnaev em foto retirada de seu perfil em rede social russa (foto de arquivo)

A reação do país com o ataque à Maratona de Boston foi diferente em comparação aos atentados terroristas de 11 de setembro - em parte porque o nível de sofisticação digital tem crescido de forma exponencial desde então (em 2001, não havia YouTube, Facebook ou Twitter).

Os vestígios dos meios de comunicação social que os irmãos Tsarnaev deixaram para trás não apenas atestam sua própria imersão no mundo interativo e digital, mas também providenciaram a todo mundo uma abundância de dados digitais para tentar extrair padrões e possíveis significados – satisfazendo a necessidade humana de tentar explicar o sentido de uma tragédia.

Por Michiko Kakutani

Leia tudo sobre: ataque em bostonbostoneuarede socialtsarnaevtwitteryoutube

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas