Renúncia de premiê traz dilema político e mais incertezas para palestinos

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Vácuo criado pela saída de Fayyad pode dar novo fôlego aos esforços de reconciliação entre Fatah e Hamas, o que não é visto com bons olhos pela comunidade internacional

NYT

Salam Fayyad, o político e economista palestino internacionalmente prestigiado, é conhecido por ter acabado com o caos na Cisjordânia e por ter colocado ordem no governo em seus seis anos como primeiro-ministro. Mas sua renúncia no fim de semana, ocorrida após lutas internas pelo poder, deixou a Autoridade Palestina em situação de ambiguidade e confusão política.

Leia também: Abbas aceita renúncia do primeiro-ministro palestino

NYT
Salam Fayyad, primeiro-ministro da Autoridade Palestina, em Ramallah, Cisjordânia (foto de arquivo)

Saiba mais: Presidente palestino comemora votação 'histórica' na ONU

Analistas disseram que, ao aceitar a renúncia de Fayyad, o presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas se colocou em um dilema político, no mesmo momento em que o governo Obama tenta retomar os diálogos de paz entre israelenses e palestinos, paradas há  muito tempo.

De acordo com palestinos, isso aconteceu porque o vácuo criado pela renúncia de Fayyad apresenta uma oportunidade de renovação dos esforços de reconciliar o partido Fatah, de Abbas, com seu rival, Hamas, grupo militante islâmico que controla Gaza.

Novo status: Contra EUA e Israel, ONU reconhece de forma implícita Estado palestino

Após vitória na ONU: Hamas vê possibilidade de reconciliação com Fatah

Embora uma solução para este conflito se mostre popular entre os palestinos, poderia complicar os esforços de paz e fazer com que alguns países ocidentais doadores considerem a retenção de fundos necessários, temendo que sejam utilizados pelo Hamas. O Hamas é classificado como uma organização terrorista por Israel, pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Munib al-Masri, um industrial da Cisjordânia que promoveu a reconciliação da Palestina, disse: "Esperamos que o presidente forme o governo e convoque eleições o mais rápido possível. Isso é o que todo mundo está esperando. Se não acabarmos com a divisão, não teremos um país."

Saiba mais: Entenda o que significa o novo status palestino na ONU

Israel se opõe à reconciliação entre a Autoridade Palestina e o Hamas enquanto o grupo islâmico se recusar a reconhecer o direito de Israel de existir e renunciar à violência.

Analistas palestinos disseram que, em qualquer caso, uma verdadeira reconciliação entre Fatah e Hamas parece estar muito distante e que o Hamas não está suscetível a se comprometer com uma data para as eleições ou a uma política comum com Abbas.

Em 2011: Entenda o acordo de reconciliação entre Fatah e Hamas

Mais: Sem anunciar governo, Hamas e Fatah celebram 'nova página' nas relações

Em Gaza, o Hamas saudou a demissão de Fayyad, mas enfatizou que sua ação não estava vinculada com esforços de reconciliação. Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas, acusou o Fatah de não estar disposto a cumprir todos os pontos dos acordos anteriores realizados entre os grupos.

Se Abbas for incapaz de chegar a um acordo com o Hamas que o permita tomar posse como primeiro-ministro, terá que nomear um substituto para Fayyad. Possíveis candidatos incluem outro economista - Mohammad Mustafa - que foi educado no Ocidente e trabalhou durante 15 anos no Banco Mundial; Rami Hamdallah, diretor de uma universidade da Cisjordânia; Mazen Sinokrot, bem-sucedido empresário; e Muhammad Shtayyeh, autoridade do Fatah.

Troca de prisioneiros: Situação regional favorece Hamas em rivalidade palestina

Mas, ao substituir Fayyad, Abbas, segundo analistas, poderia se tornar alvo de críticas por estar, segundo opinião popular, se afastando de solucionar o impasse palestino.

Sob as atuais circunstâncias, continuar com Fayyad por enquanto poderia ser "a melhor das piores soluções", segungo Ahmed Aweida, o executivo-chefe da Bolsa de Valores palestina, em uma entrevista. "Estou convencido de que continuará sendo o principal ministro interino para o futuro previsível".

Fayyad, um político independente, disse ter renunciado em grande parte por causa da crítica implacável de suas políticas por autoridades do Fatah que ressentem seu poder e culpam-no pela crise financeira que atinge a Autoridade Palestina nos últimos dois anos. "O problema não é e nunca foi Fayyad ", disse Aweida. "O problema é a ocupação israelense e a falta de qualquer horizonte político ou diplomático."

"Nenhum governo no mundo consegue planejar o desenvolvimento econômico quando não tem nenhum controle sobre as fronteiras, terras, recursos hídricos e não pode fazer acordos comerciais", disse. "Esta é a realidade."

NYT
Presidente Mahmoud Abbas da Autoridade Palestina na Assembleia Geral das Nações Unidas (09/2012)

Análise: Hamas ganha apoio popular em meio a ataques de Israel

Fayyad é conhecido por ter introduzido o termo "fayyadismo", sinônimo entre os palestinos para novas normas de um governo bem sucedido. Aconteça o que acontecer, Ehud Yaari, um pesquisador com base em Israel do Instituto Washington para a Política do Oriente Próximo, disse que a renúncia de Fayyad sinaliza "um sério enfraquecimento da Autoridade Palestina".

Martin Indyk, diretor do programa de política externa da Brookings Institution e ex-embaixador dos Estados Unidos em Israel, disse: "É um dia muito triste para o fayyadismo".

Fayyad, segundo ele, "conseguiu construir as instituições do Estado, incluindo um corpo policial e força de segurança eficaz e responsável, que serão seu legado duradouro". "Mas o processo político não conseguiu criar o Estado, e, infelizmente, não havia nada que Fayyad pudesse ter feito a respeito disso."

Por Isabel Kershner

Leia tudo sobre: palestinaisraelhamasfatahfayyadabbas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas