Jovem líder da Coreia do Norte compromete laços com a China

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Postura desafiante adotada por Kim Jong-un em relação a Xi Jinping foi sentida após o lançamento de foguete em dezembro, doze dias depois de um alerta do governo chinês

NYT

O último contato entre Kim Jong-un, o líder da Coreia do Norte, e autoridades de alto escalão chineses não acabou bem. Li Jianguo, membro do Politburo, órgão mais poderoso da China, liderou uma pequena delegação a Pyongyang, capital da Coreia do Norte, em novembro.

Ele carregava consigo uma carta do novo líder da China, Xi Jinping, que aparentemente continha uma mensagem simples: "não lance um míssil balístico". Doze dias depois, Kim fez exatamente isso.

15 de abril: Coreia do Norte comemora aniversário de nascimento de líder fundador

AP
Líder norte-coreano Kim Jong-un levanta sua mão com outro líderes durante encontro do Comitê Central do governista Partido dos Trabalhadores em Pyongyang (31/03)

'Escudo humano': BBC é acusada de usar estudantes para filmar na Coreia do Norte

A relação entre a Coreia do Norte e China, que já foi considerada próxima no passado,  vem se deteriorando à medida que Kim, um jovem político que acredita-se estar na faixa dos 20 anos de idade, continua a desafiar Xi, 59 anos, um estadista experiente.

A situação atual da aliança entre a China e a Coreia do Norte é debatida abertamente na mídia chinesa. Poucos consideram o tema um problema sério, apesar de haver um debate dentro do governo chinês sobre como lidar com Kim.

Giro pela Ásia: EUA buscam apoio do Japão para controlar Coreia do Norte

Leia mais: EUA e China acertam pacto para desnuclearizar Coreia do Norte

Mas com a ida de John Kerry, Secretário de Estado dos EUA, à China neste final de semana alguns pontos ficaram claros.

As relações pessoais entre Kim e seus colegas chineses parecem piores em comparação ao período que seu pai, Kim Jong-il, estava no comando. Analistas sugerem que pode ser resultado das diferenças de idade significativas entre Kim e os líderes chineses.

Em Seul: Secretário de Estado dos EUA alerta Coreia do Norte: 'Não teste míssil'

Não houve nenhuma divulgação a respeito da visita de líderes chineses à Coreia do Norte desde a constrangedora viagem em novembro, quando Kim ignorou o pedido de Xi para contenção. Na mídia chinesa, Kim recebeu críticas mistas.

A mídia estatal de notícias em Pequim não lhe dá apelidos pejorativos, como faziam quando chamavam o presidente americano George W. Bush (2001-2009), "Pequeno sr. Bush".

Reunião em Londres: Coreia do Norte e Síria dominam debate entre ministros do G8

AP
O novo secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, no encerramento do congresso em Pequim

9 de abril: Coreia do Norte alerta estrangeiros a deixar Coreia do Sul

Em contraste, os sites de mídia sociais da China divulgaram piadas satíricas, imagens e apelidos destinados a Kim, que muitas vezes é descrito de maneira depreciativa por chineses comuns.

A China frequentemente censura comentários na internet que vão contra a política do Partido Comunista ou são muito críticos à respeito de sua política externa. Os comentários publicados contra Kim foram deixados intactos.

Na mídia chinesa estatal de notícias, a cobertura generosa do Norte tornou-se menos tolerante. Alguns comentaristas disseram que a declaração feita pela Coreia do Norte de que iria reativar seu reator nuclear de Yongbyon “loucura” e “fora de controle".

Por Jane Perlez

Leia tudo sobre: coreia do nortechinacoreia do suleuapyongyangpequim

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas