Iniciativa nos EUA ajuda imigrantes a se aquecer no inverno

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Uma aula em Portland, Maine, auxilia migrantes de lugares como África Central e Iraque a se adaptar a temperaturas geladas e a ruas cheias de gelo

NYT

Charlene Masengu foi embora da República Democrática do Congo no ano passado na esperança de obter asilo nos EUA depois que uma onda de violência política tornou a vida em seu país insuportavelmente perigosa. Após chegar a Portland, no Maine, em fevereiro, pouco antes de a cidade costeira ficar coberta por mais de 60 centímetros de neve, ela brevemente se questionou se havia cometido um erro.

Debate: Fronteira com México se transforma enquanto EUA buscam reforma migratória

The New York Times
Pessoas participam de workshop que tem o objetivo de preparar imigrantes recém-chegados para os invernos em Portland, Maine (28/02/2013)

Onda de frio: Na primavera, neve atrapalha transporte e suspende voos nos EUA

"Terrível!", disse Masengu, 29, em francês, balançando a cabeça enquanto se lembrava da tempestade de neve. "Senti-me muito mal. Queria ir embora."

Masengu estava recentemente em uma sala de conferências no centro da cidade que atende serviços de refugiados. Ela e dezenas de outros, muitos dos quais são requerentes de asilo da África Central, vêm até o local para receber informações sobre um elemento crucial na vida dos cidadãos de Portland: a arte de lidar com o inverno no Maine.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre imigração nos EUA

O instrutor Simeon Alloding, um conselheiro de serviços humanos na cidade, sentou-se à frente da sala, falando sobre muitos dos perigos do inverno. "Todos nesta sala já caíram, certo?", perguntou, começando uma discussão sobre como andar pelas calçadas geladas da cidade. "Você não pode caminhar muito rápido. É necessário dar passos mais curtos", explicou.

A região norte da Nova Inglaterra parece um destino improvável para imigrantes da África Central, mas muitos recém-chegados são atraídos até o local por causa das referências de parentes e amigos e também pelos baixos índices de criminalidade.

Dia 25: Obama pressiona Congresso a agir rápido sobre reforma imigratória

Ainda assim, para essa crescente população, o inverno - especialmente os períodos em que fortes nevascas atingem o Estado - dificulta ainda mais a vida de um recém-chegado. Amel Joudha, uma refugiada iraquiana que chegou em meados de fevereiro, disse que inicialmente se hospedou em um abrigo que lhe concedeu uma vaga somente à noite, obrigando-a a enfrentar o frio nas ruas durante o dia. "Estava doente", disse Joudha, em árabe. "As ruas estavam geladas." Ela explicou que outro iraquiano a viu na rua e a acolheu; ela já encontrou um apartamento.

Em suas declarações finais, Alloding levemente sugeriu que seus alunos tentassem aproveitar o inverno. "Sei que a maioria não está acostumada a se divertir na neve - talvez seja algo mais para crianças", disse. "A neve é linda durante o Natal. Ela é branca, não há insetos voando por todos os lados, isso é muito legal."

Por Jess Bidgood

Leia tudo sobre: euaimigração nos euainvernoportland

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas