Conheça Marco Rubio, latino cotado para indicação republicana em 2016

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Uma razão para se observar senador de perto é que ele pode ser a melhor chance do partido para manter uma imagem razoavelmente boa com os eleitores em geral

NYT

Alguns comentaristas foram surpreendidos ao descobrir o histórico de votação ultra conservador do senador Marco Rubio, da Flórida, que foi responsável pela resposta republicana ao discurso sobre o Estado da União. Apesar de seu recente apoio à reforma imigratória, Rubio geralmente permaneceu ao lado da maioria dos outros republicanos desde que conquistou sua cadeira no Senado.

Fevereiro: Obama promete reaquecer economia e faz apelo por controle de armas

Temas polêmicos: Jovens querem mudar abordagens sociais do Partido Republicano

Ser conservador, no entanto, é quase uma obrigação para quem espera conquistar a indicação presidencial republicana em 2016. De fato, um dos motivos para observarmos Rubio de perto é que, entre os candidatos considerados conservadores por eleitores republicanos e membros do partido, ele pode ter a melhor oportunidade de manter uma imagem razoavelmente boa com os eleitores gerais também. 

NYT
Senador Marco Rubio deixa sala após votar em John Kerry para secretário de em audiência do Comitê de Relações Exteriores em Washington, EUA

Então como será que o conservadorismo de Rubio pode ser comparado com os de outros possíveis cotados para indicação republicana em 2016 - e de outros candidatos, como Mitt Romney, indicado pelo partido no ano passado?

Após eleições: Derrota para Obama causa crise de identidade em Partido Republicano

O instituto de pesquisas eleitorais FiveThirtyEight usa três métodos estatísticos para classificar a ideologia dos candidatos como parte das previsões para as corridas eleitorais pelo Senado americano. O mesmo sistema pode ser aplicado para candidatos presidenciais.

O sistema DW-Nominate é baseado no recorde de votações de um candidato no Congresso. O método desenvolvido pelo cientista político Adam Boninca da Universidade de Stanford infere sobre a ideologia de um candidato com base nos grupos e nos indivíduos que tenham contribuído para sua campanha. O terceiro método, do website OnThelssues.org trabalha no arquivamento de declarações públicas feitas por um candidato em relação a uma série de questões políticas.

Discurso: Reeleito presidente dos EUA, Obama diz que 'o melhor está por vir'

Voto crucial: Obama teve forte apoio de minorias e mulheres para conquistar reeleição

Nem todo sistema de classificação é disponível par todos os candidatos: Aqueles que nunca estiveram no Congresso, não tem como possuir pontuação pelo DW-Nominate, por exemplo. Os métodos, por vezes também, se tornam controversos. Todavia, podemos geralmente ter uma boa medida da ideologia do cnadidato fazendo uma média dessas três abordagens. Quanto maior a pontuação - de -100 a 100 - mais conservador é o candidato.

Rubio atingiu uma pontuação igual a 51.  O que isso significa?

Os dois últimos candidatos presidenciais republicanos, John McCain e Romney, obtiveram uma pontuação de 39, o que significa que eles eram mais moderados do que Rubio.

Em maio: Obama declara apoio ao casamento gay

Rubio também é classificado como sendo um pouco mais de direita do que o ex-presidente Ronald Reagan (1981-1989), que teve uma pontuação de 44, e George W. Bush (2001-2009), que teve uma pontuação de 46. Entre os indicados presidenciais republicanos desde 1960, na verdade, apenas Barry Goldwater, que teve uma pontuação de 67, foi considerado mais conservador do que Rubio.

Mas Rubio destaca-se menos em comparação com os republicanos de hoje. Considerando que, em 1980, um membro republicano do Congresso tinha uma pontuação de 30, a média mais recente de um republicano no Congresso teve uma pontuação de 48, muito perto da de Rubio.

Esta é uma posição potencialmente vantajosa. Em ambos os partidos, geralmente os candidatos vêm do centro e não de seus "extremos". Rubio se encontra muito perto do ponto ideal para um candidato presidencial.

Congresso: Esforços por reforma migratória nos EUA preocupam base republicana

Mais: Líder democrata no Senado dos EUA prevê aprovação de reforma migratória

Existem alguns candidatos viáveis à direita de Rubio. O candidato republicano à vice-presidente em 2012, o deputado Paul Ryan, de Wisconsin, somou 55 - um pouco mais conservador do que Rubio. Scott Walker, governador de Wisconsin, chegou a 57.

No entanto, uma das principais qualidades de Rubio com os membros republicanos pode ser o fato de ele ser mais popular que candidatos ideologicamente semelhantes. (Existem também os fatores de que Rubio é latino-americano e da Flórida, mas essas vantagens se resumem a elegibilidade também: a possibilidade de que poderia ajudar os republicanos a ganharem votos com os latinos e que ele poderia providenciar ao partido uma melhora de índices em um Estado disputado).

O que torna as coisas difíceis para Rubio é que, ao mesmo tempo em que tenta conquistar os integrantes do Partido Republicano, também terá que manter uma imagem razoavelmente boa com o amplo eleitorado para que seu argumento do por que deveria ser eleito não seja menosprezado.

Caracterísitcas: Mudança em eleitorado dos EUA preocupa republicanos

Quando o eleitorado mais amplo ficar sabendo que os posicionamentos de Rubio são difíceis de diferenciar dos de outros republicanos conservadores, será que seus índices de favorabilidade se tornarão medíocres - como o de Ryan hoje em dia?

Uma medida de talento político, e algo que caracterizou Reagan e Barack Obama, é a capacidade do candidato vender suas ideias aos eleitores por meio de uma ampla gama do espectro político.

Talvez Rubio prove ser um grande talento. Caso contrário, se Rubio optar por um conjunto bastante comum (e conservador) de posições republicanas, seus índices de popularidade também poderão acabar sendo comuns.

Por Nate Silver

Leia tudo sobre: partido republicanoeuarubiosenadoflóridalatinorepublicanos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas