Estupro coletivo de indiana expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

Só neste ano, 'capital do estupro' da Índia registrou 630 ataques; mentalidade social patriarcal é uma das razões para situação de vulnerabilidade feminina na cidade

NYT |

NYT

Uma mulher de 23 anos foi brutalmente atacada e estuprada por um grupo de homens dentro de um ônibus, e seu amigo foi espancado cruelmente. Machucados e sangrando, eles foram despejados perto de uma via expressa em Nova Délhi, Índia, onde foram encontrados por um transeunte.

Nova Délhi: Estupro coletivo em ônibus causa comoção na Índia

AP
Indianos participam de vigília à luz de velas do lado de fora de hospital onde vítima de estupro coletivo está internada em Nova Délhi (20/12)

Internada: Jovem vítima de estupro coletivo em ônibus corre risco de vida na Índia

Outro dia, outra garota estuprada, outra rodada de indignação. No entanto, mais de 630 estupros aconteceram na cidade até agora neste ano, e nada parece que realmente mudará.

Os médicos que tratam a estudante paramédica atacada, que atualmente está conectada a aparelhos de suporte de vida em um lotado hospital da cidade, estão horrorizados. Eles disseram que esse é o caso "mais grave" de estupro que já cuidaram.

"Isso foi muito mais do que estupro. Havia lesões extensas. Aparentemente um objeto contundente foi usado repetidamente (pelos agressores)", disse um dos médicos.

O incidente da noite de domingo de 16 de dezembro na "capital do estupro" da Índia foi simplesmente brutal, mesmo para uma cidade que se tornou insensível aos crimes contra as mulheres.

Os maus-tratos e abuso contra mulheres são um grande problema especialmente em Nova Délhi e no norte da Índia. A mentalidade social patriarcal, uma cultura descarada de abuso do poder político, um desdém generalizado em relação à legislação, uma força policial em grande parte insensível e uma população de migrantes sem raízes, sem lei, são apenas algumas das razões. Devem haver muitas outras.

Então, é provável que qualquer mulher - exceto as muito ricas e privilegiadas – esteja propensa a enfrentar indignidade e humilhação nessa cidade.

Nessa parte do mundo onde vivo e trabalho, as pessoas dizem que os estupros são consequência da pornografia, da influência das mulheres estrangeiras - por usarem vestidos ocidentais e por saírem com seus amigos. Quando outro incidente acontece, as manchetes indignadas, talk shows de TV, vigílias à luz de velas, promessas pelas autoridades e chavões por parte dos políticos aparecem novamente.

Mas nada realmente muda para as mulheres em Délhi. "É como se houvesse uma conspiração silenciosa na cidade", disse uma amiga, "para que as mulheres continuem com medo". Elas dizem que não estão seguras em nenhum lugar, em casa, na rua, no ônibus, no novo sistema de metrô.

AP
Mulheres fazem protesto em frente à casa da chefe de governo do Estado Sheila Dikshit em Nova Délhi, Índia (19/12)

Uma amiga que trabalha como fotógrafa de uma agência internacional de notícias me contou a história de sua vida como uma mulher em Délhi. É infinitamente pior para aquelas que são menos favorecidas do que ela.

Quando ela vivia como hóspede em um luxuoso bairro na região sul de Délhi alguns anos atrás, um cozinheiro bêbado invadiu seu quarto à noite, puxou o lençol de cama e tentou atacá-la. O homem fugiu depois que ela gritou.

"O meu senhorio, uma pessoa perfeitamente respeitável no exterior, veio e disse que provavelmente foi um sonho, que não poderia ter sido um ataque. Sua mãe tinha ouvido os meus gritos, e acreditou em mim. Fui embora do local, e eles disseram que tinham demitido o cozinheiro. Quando cheguei mais tarde, descobri que o cozinheiro havia retornado e estava trabalhando", lembrou.

Depois de alguns anos, ela se matriculou em aulas de salsa, e seus amigos chegaram para buscá-la para uma competição. Eles esperavam um táxi quando um policial se aproximou e questionou os meninos. "Vocês estão saindo com uma mulher promíscua", resmungou. "Dê-me o telefone de seus pais, vou ligar para avisá-los disso."

Quando seus amigos protestaram, o policial foi até a dona da casa e solicitou um suborno. "Ele lhe disse que abriria um processo dizendo que ela tinha alugado um quarto para uma mulher suspeita e sem um acordo de aluguel adequado."

Uma noite, há alguns anos, ela voltava para casa do trabalho quando um jovem se aproximou e disse algo muito obsceno. Ela pediu para ele calar a boca e continuou andando. O homem correu atrás dela, parou em sua frente, e lhe disse sem rodeios: "Derramarei ácido em seu rosto se você falar isso novamente" e então desapareceu.

AP
Estudantes seguram cartazes pedindo punição aos estupradores de uma estudante durante protesto em Allahabad, Índia (20/12)

"Cheguei em casa e comecei a chorar. Fique com medo de sair de casa durante os dias seguintes", disse.

Não ajuda muito a mulher estar acompanhada por um amigo ou cônjuge. Outra amiga que andava de carro com um amigo foi atacada por um grupo de rapazes em um bairro chique alguns anos atrás. Eles bloquearam a pista em um cruzamento, apontaram uma arma para seu amigo e o xingaram.

"Eles quiseram provocá-lo, falaram que ele saía com uma prostituta. Meu amigo ficou em silêncio e pediu desculpas. Eles nos deixaram ir embora depois de nos roubarem", lembrou.

O desdém de Délhi por suas mulheres reflete possivelmente a própria cidade, disse um amigo cínico e residente de longa data da cidade.

Uma cidade que em grande parte, segundo ele, foi criada por uma geração de imigrantes sem raízes, ricos e pobres, que viviam em seus próprios mundos em bairros fechados e favelas imundas, atualmente torna difícil uma ação coletiva genuína. Uma polícia ineficaz e um sistema de justiça que não funciona também não contribuem para a situação.

Por Soutik Biswas

    Leia tudo sobre: índiaestuproestupro coletivonova délhi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG