Dono de Rancho de Cadillacs do Texas é acusado de abuso sexual

Oito garotos adolescentes processam Stanley Marsh 3 alegando que ele lhes forneceu dinheiro, carros e álcool em troca de favores sexuais em seu escritório e em sua casa

NYT |

NYT

Durante anos, tem sido difícil dizer o que tem fascinado e chocado os moradores de Amarillo, Texas: os dez Cadillacs antigos enterrados de ponta-cabeça em um campo de trigo logo na saída da Interstate 40 como se fosse uma Stonehenge automotiva ou o criador do projeto e seu patrono Stanley Marsh 3.

Austrália:  Igreja Católica reconhece 'vergonha' de abuso sexual

New York Times
Stanley Marsh 3 durante festa de 30 anos de seu rancho de Cadillacs Ranch em Amarillo, Texas (21/06/2004)

Leia também: BBC é atacada após veicular notícia falsa sobre abuso sexual infantil

Marsh – que prefere usar o número "3" em vez do algarismo romano "III", pois acredita que os algarismos romanos são pretensiosos demais – não se importa com o fluxo de turistas que desfiguram o Rancho dos Cadillacs com grafites. Em um evento para comemorar o seu 30º aniversário em 2004, um homem conhecido como P.T. Barnum, de Amarillo, foi responsável por fazer um grafite em uma das relíquias.

Aos 74 anos, ele é único fazendeiro na cidade que possui um moinho de vento, usa uma gravata-borboleta e tem utilizado sua terra e riqueza como uma espécie de tela para criar uma arte instigadora. Em seu escritório no edifício mais alto de Amarillo, a Torre Chase, não havia carros enterrados, mas um repórter que visitou o local notou uma placa perto do elevador que dizia: "República Popular do 12º andar."

Agora, Marsh e sua sede no 12º andar se envolveram em confusão jurídica em que ele é acusado de um comportamento que vai muito além de suas conhecidas excentricidades. Oito garotos adolescentes o processaram nas últimas semanas, alegando em uma série de ações judiciais que ele lhes forneceu dinheiro, carros e álcool em troca de favores sexuais em seu escritório e em sua casa. As ações judiciais disseram que os rapazes, identificados nos documentos judiciais como John Does, tinham 15, 16 e 17 anos na época.

Os termos acusam Marsh de ter "abusado" de meninos e rapazes, alegações que o advogado de Marsh disse que contestaria no tribunal. Documentos apresentados nas ações judiciais alegaram que pessoas próximas a Marsh, incluindo sua esposa, Wendy Marsh, e seu parceiro de negócios, David L. Weir, estavam cientes do abuso e, que muitas vezes, o ajudaram. De acordo com as ações judiciais, Weir exigia que os adolescentes assinassem um documento que isentava Stanley Marsh de qualquer responsabilidade enquanto eles fossem seus funcionários ou convidados.

Weir, Wendy e o filho adotivo dos Marshes, Stanley Marsh IV, também foram citados nos processos, assim como a empresa que administra a Torre Chase e a companhia que lida com segurança do edifício. Os meninos alegam agressão sexual e imposição intencional de sofrimento emocional, processando Stanley Marsh 3 por danos monetários não especificados, e os outros réus são processados por negligência, entre outras acusações.

A polícia de Amarillo deu início a uma investigação criminal, e o promotor público no condado de Lubbock teve direito a um promotor especial. Detetives da polícia serviram um mandado de busca nos escritórios de Marsh e aprenderam uma série de itens, e Anthony G. Buzbee, o advogado de Houston que arquivou os processos, disse que, até agora, seis adolescentes foram entrevistados por detetives.

Reino Unido:  Astro pop é preso por conexão com escândalo de pedofilia

Jerry Neufeld, um dos porta-vozes da polícia de Amarillo, disse que o mandado de busca havia servido como parte de uma investigação criminal, mas se recusou a descrever a natureza da investigação ou quais itens que foram apreendidos. Ele disse que o departamento não revelou as identidades dos suspeitos das investigações, mas acrescentou que ninguém foi preso ou acusado.

O advogado que representa Marsh, Kelly Utsinger, disse que seu cliente está cooperando com a polícia. "Stanley é uma pessoa incomum", disse Dick DeGuerin, advogado de Houston que representou Marsh na década de 1990. "Ele é brilhante, muito educado, muito inteligente. Mas se destaca em um lugar como Amarillo, um lugar onde as pessoas que são incomuns são malvistas. Por ser diferente, algumas pessoas têm a ideia errada sobre ele. Stanley é uma pessoa generosa, honesta, e não acredito nessas alegações feitas contra ele."

Mas as ações não são a primeira vez que as relações de Marsh e sua conduta com adolescentes e jovens o colocaram em apuros. Marsh muitas vezes contratou jovens com tendências artísticas, especialmente para ajudá-lo com a criação e instalação de suas obras. Há quase 17 anos, ele foi preso por suspeita de sequestro e agressão depois de ter sido acusado de ameaçar um estudante do ensino médio com um martelo e de prendê-lo em um galinheiro. O jovem, com 18 anos na época, havia roubado uma das placas de rua de Marsh, e ele era um membro da família Whittenburg, com quem a família Marsh tem uma rixa que vem de longa data.

New York Times
Cadillacs vintage são vistos de ponta cabeça no rancho de Stanley Marsh 3 em Amarillo, Texas (08/11)

Marsh não contestou a acusações de contravenção, retenção ilegal e ofensa criminal, e realizou serviço comunitário e pagou uma multa de US$ 4 mil. As acusações de assalto e sequestro foram arquivadas. Os processos resultantes desse episódio e outros em 1994 foram liquidados e Marsh emitiu um pedido de desculpas.

Em outro caso, a Marsh foi preso sob a acusação de indecência com um menor por causa de contato sexual, em março de 1996. As acusações indicaram que, em três ocasiões em 1995, ele tocou os órgãos genitais de um adolescente de 16 anos. O garoto e seu pai assinaram declarações afirmando que não queriam prestar queixa. O pai se recusou a dar declarações para esse artigo.

As acusações nesse caso foram arquivadas em 1998, como parte de um acordo judicial que também envolveu o caso do galinheiro. Outra ação movida em 2004 acusou Marsh de convidar um garoto de 18 anos para almoçar em seu escritório e depois abusar dele sexualmente. As acusações foram negadas em tribunal pelo advogado da Marsh, e o termo foi posteriormente indeferido pela vítima.

Por Manny Fernandez

    Leia tudo sobre: cadillacabuso sexualeuaranchotexas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG