Obras de arte para alugar por uma pechincha nos Estados Unidos

A empresa Artsicle foi criada para facilitar o empréstimo quadros em Nova York

NYT |

NYT

Depois de 90 minutos em uma expedição rápida pelos estúdios dos artistas no Brooklyn, Alex Tryon parou. Em um pequeno estúdio subdividido que participava de um evento anual conhecido como o Tour Aberto dos Estúdios Gowanus, seu olhar fixou em algumas pinturas acrílicas de cores néon. Elas tinham uma presença estranha, alegre, mas ameaçadora.

Seu companheiro, Scott Carleton, inclinou-se e disse, conspirador, "Eu gosto disso."

Tryon sacou seu iPhone e começou a tirar fotos.

NYT
Fundadores da empresa Artsicle: Alex Tryon (esq.) e Scott Carleton

"Isso vai para o Twitter," disse ela. "Ele permite que as pessoas saibam que a equipe do Artsicle está nas ruas e é isso que estamos vendo."

Artsicle é o nome de um empreendimento inusitado, uma empresa online que aluga arte a um preço barato. Tryon, 26, e Carleton, 27, visam colecionadores novatos com pequenos orçamentos, conhecimentos limitados de arte e pouco ou nenhum apetite para a atmosfera intimidante de muitas galerias de arte já estabelecidas.

Eles estão tentando acabar com o sistema de galerias permanentes, uma ideia que tem atraído diversos empreendedores recentemente. Nesta primavera, a companhia Artify It começou a oferecer um serviço de assinatura de arte no modelo do Netflix na região de São Francisco e Los Angeles.

"Eu pensei que o mercado de arte estava pronto para inovação e ruptura", disse Idan Cohen, um dos vários investidores que investiram um total de US$ 390 mil no Artsicle em novembro passado. "Eu pensei que o Artsicle conseguiria chegar a jovens não expostos ao mundo da arte ainda, mas que ainda querem algo que parece bom em sua casa, com o que tenham uma ligação emocional, que tenha uma história por trás."

Tryon conhece sua situação. Apenas alguns anos atrás, ela tentou comprar uma impressão de Jock Sturges, conhecido por suas fotografias de adolescentes e famílias tiradas em comunas e colônias nudistas na Califórnia.

Ela simplesmente não conseguiu.

"As galerias deixaram muito claro que não estavam muito interessados em uma compradora jovem, com um orçamento de mil dólares", disse ela. "Eu encontrei muita rejeição em todos os lugares em que fui. Ao mesmo tempo, eu conheci um monte de jovens interessados em arte. Parecia haver uma ineficiência no mercado."

Carleton se tornou seu parceiro no improvável empreendimento. Os dois se conheceram quando ela estava estudando comunicação e história da arte na Universidade da Pensilvânia, e ele estava se formando em engenharia mecânica na Universidade Carnegie Mellon. Em uma viagem de fim de semana para a Filadélfia com uma colega de classe, ele acabou dormindo no sofá de Tryon quase sem querer.

NYT
Fundadora da Artsicle acompanha a produção de uma obra em Nova York

Um relacionamento de longa distância teve início ali. Após a faculdade, Carleton achou trabalho na divisão de engenharia nuclear da Westinghouse Electric. Tryon foi contratada pela American Express, onde seu trabalho a conectou com os melhores restaurantes de Manhattan. O casal tem um voto solene para comer nos 50 melhores restaurantes do mundo até os 50 anos de idade (a contagem até o momento: quatro).

A relação tornou-se de curta distância quando Carleton saiu do negócio do reator nuclear, mudou-se para Nova York, alugou um apartamento com Tryon e mergulhou no desenvolvimento do site.

Para testar suas habilidades de programação, ele precisava de um projeto real, algo como o proposto por Tryon para o "Artsicle".

A palavra não significa nada em particular, mas os dois parceiros acharam que soava simpático e divertido.

A primeira versão, com trabalhos de 10 artistas, foi inaugurada em dezembro de 2010, mas dentro de algumas semanas os dois parceiros decidiram mudar a ênfase para alugar em vez de vender. O negócio começou a ganhar força.

Nos primeiros dias, a companhia vendeu cerca de 30 obras por mês. Esse número é mais próximo de 100, hoje, como clientes empresariais. A lista de artistas cresceu para 150, com 3 mil obras no inventário online, a maioria deles pinturas de pequeno e médio porte.

Clientes que alugam pagam entre US$ 25 e US $ 65 por mês, dependendo do tamanho do trabalho. Depois de viver com a arte por um tempo, eles podem renovar o aluguel ou optar por comprar, geralmente por valores entre US $ 500 e US$ 2,5 mil. O envio é gratuito.

"Ele permite que você vive com uma obra de arte que não poderia ter de outra forma", disse Alexandra Portnova, um desenvolvedor de software de 31 anos de idade que vive em Brooklyn e alugou uma pintura há seis meses. "Em Nova York, há espaço limitado nas paredes e esta é uma maneira de aproveitar e olhar sem fazer um compromisso."

O Artsicle fica com 50% do preço do aluguel, e 30 % das vendas, em comparação com os 50% das galerias típicas.

Seis funcionários trabalham para manter o site, três deles a tempo parcial. Eles trabalham em um pequeno escritório na Broadway, onde seus vizinhos de corredor incluem o Sindicato de Escritores de Mistério da América e o PetFlow, um serviço de entrega online de alimentos para pets.

Por William Grimes

    Leia tudo sobre: obras de artebrooklyneuaartsicle

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG