Autoras pregam 'mudança de tática' para mulheres em busca do amor

Jessica Massa e Rebecca Wiegand comandam happy hour em Nova York no qual aconselham participantes a 'abraçar' sem pretensões os homens ao redor

NYT |

NYT

Jovens mulheres solteiras se encontraram em um bar de vinhos em TriBeCa, Nova York, vestindo seus jeans skinny e vestidos elegantes. Elas eram escritoras, advogadas e publicitárias, que se reuniam para mais uma sessão sobre como encontrar o amor nos dias de hoje.

Leia também:  Sites de relacionamento dos EUA recorrem a método antigo

As gurus da noite, Jessica Massa e Rebecca Wiegand, ambas em seus 20 e poucos anos, tinham uma mensagem para passar: Você fica rezando para que um príncipe encantado apareça com uma dúzia de rosas e uma reserva para o jantar na noite de sexta-feira? Esqueça tudo isso. Você ouve os conselhos de sua mãe que diz que você deveria esperar por um email ou telefonema? Tudo isso já não funciona mais hoje em dia.

O conselho delas: abrace todos os homens em sua órbita, seja na Internet ou pessoalmente, sejam eles bonitos ou feios. Aproveite cada momento - a conversa de bêbada no bar, a casual aventura sexual e o eventual encontro com um desconhecido em um café - sem se preocupar se algum deles irá virar amor. E no meio desta confusão, as jovens argumentaram, o romance pode florescer (às vezes).

NYT
Mulheres participam de happy hour em Nova York (27/09)

Hoje, o foco é nas jovens mulheres na faixa dos 20 e 30 anos de idade, muitas das quais estão tendo dificuldades para encontrar seu caminho em um momento no qual o namoro tradicional parece algo inatingível.

"Se você tem uma fixação por seguir as regras, isso simplesmente não funciona mais", disse Massa, 29, que é autora do livro “The Gaggle: How the Guys You Know Will Help You Find the Love You Want". "Estamos lidando com uma geração diferente de homens", disse ela. "Estamos lidando com a tecnologia. Estamos lidando com a mudança nas regras."

Massa, cujo livro foi divulgado pela revista Elle e pela Cosmopolitan, lançou o seu novo guia para o amor em junho. Lena Dunham, a escritora e estrela do programa da HBO "Girls", conseguiu um contrato multimilionário este mês para escrever um livro que deverá oferecer "conselhos honestos e engraçados desde sexo até comida e de viagens até trabalho".

Leia também:  Adolescentes trocam senhas usadas na internet como ato de amor

Para as mulheres que tomavam vinho e coquetéis enquanto ouviam Massa em TriBeCa, a enxurrada de livros dos escritores de relacionamentos fazem todo o sentido. Profissionais acostumadas a conquistar seu próprio espaço, muitas têm sofrido para resolver suas vidas amorosas, que parecem tão diferentes das descritas por suas mães ou em filmes.

"Ninguém vem me pegar em casa, ninguém me deixa em casa", disse Anne Zeleque, gerente de marketing de 27 anos de idade, que disse ter adotado a abordagem de Massa de simplesmente desfrutar da companhia dos homens que ela encontra sem necessariamente se concentrar em encontrar o homem perfeito.

"Muitas vezes não sei realmente se eu estive em um encontro até eu chegar em casa ", disse ela. "É confuso. A vida amorosa pode ser bastante confusa."

Alguns escritores argumentaram que a cultura de apenas sair torna as mulheres mais vulneráveis à depressão, com sentimentos de baixa autoestima e doenças sexualmente transmissíveis. Mas outros abraçaram a mudança, argumentando que ela permite às mulheres a liberdade de desfrutar de sua sexualidade sem ficarem presas a relacionamentos sérios ou ao casamento, que possam impedir seus esforços para promover suas carreiras ou educação.

Em seu novo livro, “The End of Men: And the Rise of Women” (O Fim dos Homens: E a Ascensão das Mulheres em tradução literal), Hanna Rosin escreveu: "Não há outra forma de dizer: hoje o progresso feminista é altamente dependente da cultura do namoro."

Ela reconhece que muitas mulheres jovens sentem falta do namoro tradicional, mas disse que muitas ainda estão à procura de "relacionamentos satisfatórios que existem fora do casamento."

No happy hour em TriBeCa, as jovens beberam, riram e compartilharam suas histórias sobre como o conselho de Massa havia funcionado em suas vidas. Charlise Ferguson, 28, editora de uma revista, disse que se sentia como se estivesse em uma "sessão de terapia de grupo" com mulheres que sabem exatamente o quão difícil é lidar com os homens nos dias de hoje.

"Todos gostam de se comunicar via mensagem de texto", disse Ferguson. "Quando você diz a um cara que você quer conversar ao telefone, é como se você estivesse falando que quer se casar com ele."

Nafeesa Saboor, 33, escritora e blogueira freelancer, disse que reconheceu a descrição de Massa sobre o namoro e gostava de sua sugestão de que as mulheres devem tirar proveito de seus contatos com os homens, independentemente de estarem buscando algo mais sério ou não. "As únicas pessoas que fazem reservas em algum lugar são homens na faixa dos 50 anos", ela suspirou.

Mas ela discordou da ideia de Massa e Wiegand de que as mulheres não deveriam exigir mais dos homens.

"Não existe uma solução universal para todas ", disse Saboor. "Acredito que devemos seguir nossos instintos e nosso discernimento. Isso é frustrante e ao mesmo tempo emocionante. Mas o amor é assim mesmo. Você nunca sabe o que pode acontecer. "

Por Rachel L. Swarns

    Leia tudo sobre: nova yorkeuaamornamoro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG