Com nova lei, comer no Coliseu pode render uma multa

Decreto municipal que entrou em vigor neste mês bane o ato de comer e beber em monumentos da capital italiana, Roma

NYT |

NYT

Em um dia quente de outono, com suas camisas brancas e bonés, integrantes da polícia municipal de Roma estavam na Piazza di Spagna de olho em possíveis infratores.

"Stefano, olha! São pessoas comendo", disse um oficial para o outro antes de se aproximarem de um casal que tinha inofensivamente começado a comer sua refeição sentado nos degraus. Os culpados: turistas estrangeiros em um dos famosos marcos de Roma. Em suas mãos estavam os itens ofensivos: sanduíches.

Leia também: Busto em vilarejo provoca debate sobre passado fascista da Itália

NYT
Turistas alemães tomam sorvete na Fontana dei Quattro Fiumi, em Roma, na Itália (12/10)

Os policiais se aproximaram e, depois de muita conversa, o casal guardou seus sanduíches e foi embora, envergonhado.

Eles haviam violado - provavelmente sem querer - um decreto municipal que entrou em vigor no mês de outubro. A medida bane o ato de comer e beber em áreas de "valor histórico, artístico, arquitetônico e cultural" no centro de Roma, para melhor proteger os monumentos da cidade, que incluem marcos como o Coliseu e o Panteão. As multas chegam a no máximo US$ 650 para reincidentes.

Cidades italianas, inclusive Roma, há muito tempo têm promulgado decretos e regulamentos para proteger monumentos de turistas (e moradores) mal-educados. Mas depois de um passeio recente pelo centro da cidade, onde presenciou um número significativo de pessoas “à vontade”, o prefeito de Roma, Gianni Alemanno, decidiu que as regras precisavam ser fortalecidas.

Leia também: Roma encontra plantação de maconha em túnel da era Mussolini

Recentemente, um vendedor chamado Massimo teve que guardar seu almoço depois que um policial soprou seu apito. Ele comia um sanduíche na Piazza di Spagna.

"Tenho a impressão que a polícia municipal deveria ter coisas mais importantes para fazer do que lidar com pessoas que comem sanduíches", disse Massimo, que pediu que seu sobrenome não fosse usado - pois, apesar de tudo, ele tinha acabado de infringir a lei.

Outros alegam que as medidas são muito rigorosas.

"A partir de agora, um turista que esteja caminhando ao redor do Coliseu com um sorvete será multado", disse Angelo Bonelli, membro do Partido Verde da Itália, que desafiou a proibição ao comer um sanduíche em frente ao Panteão, enquanto provocava um policial municipal.

Roma tem criado um grande número de proibições nos últimos cinco anos contra prostitutas, sem-tetos e homens que tiram suas camisas para tomar sol nos parques, observou Bonelli, muitas delas sem muito efeito.

"Você não pode governar apenas com proibições", disse ele sobre Alemanno. "Isso é um sinal de sua incapacidade de controlar a cidade."

NYT
Carrinho de comida e bebida é visto em frente ao Coliseu, em Roma (14/10)

Outras cidades italianas, onde turistas e moradores convivem em um delicado equilíbrio, também tomaram medidas para promover a civilidade e boas maneiras. É ilegal almoçar sentado nas escadas ou muros em volta da Piazza San Marco, em Veneza, visitada por 25 milhões de turistas todo ano, disse Marco Agostini, administrador geral da cidade.

"É o único lugar em Veneza que todos os visitantes querem ver", disse ele, "e nós não podemos ter uma situação em que você tem que andar em meio a pessoas comendo sanduíches de salame".

Neste verão, Veneza - juntamente com a Associação de Comércio da Praça - contratou oito "guardiões" da praça, respondendo a questões diversas, como: "Onde posso encontrar o Coliseu?"

Segundo Agostini, eles não apenas informam os turistas de que o Coliseu fica em Roma, mas também os direcionam aos jardins, onde comer ao ar livre é legal.

Gazzellone, chefe de turismo de Roma, descartou preocupações sobre multas para os visitantes que passeiam com sorvete ou fatias de pizza. Segundo ele, é mais uma questão de civilidade. "Você não iria comer uma pizza com molho de tomate caindo por todos os lados nas escadas da Casa Branca, em Washington", comparou.

A proibição deverá ser renovada no final do ano, disse ele.

"Vamos ver quais serão os resultados", afirmou. "Pessoalmente, espero que ela nunca tenha de ser aplicada, pois isso significará que os cidadãos e visitantes de Roma terão entendido como se comportar. Espero que que as multas não precisem ser executadas, pois isso significará que os cidadãos estão respeitando a beleza de sua cidade. "

Por Elisabetta Povoledo

    Leia tudo sobre: romaitáliacomida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG