Assassinatos desequilibram harmonia política na região da Caxemira

Mortes não esclarecidas de duas autoridades espalham o pânico entre moradores em vilarejo pouco depois de eleição que encheu o local de esperança

NYT |

NYT

No dia em que foi morto, Mohammad Shafiq Teli estava trabalhando em um projeto para construir um novo sistema de esgoto, exatamente o tipo de trabalho monótono, porém essencial, que o governo de uma aldeia deve fazer. Só que, durante mais de três décadas, os governos locais nas aldeias da região da Caxemira foram praticamente inexistentes.

No ano passado, apesar de uma ameaça de violência, moradores da região compareceram em grande número para eleger conselhos de aldeia, no que se tornou uma vitória para a democracia de base em uma terra vítima de muitos anos de violência. E muitos dos novos oficiais eleitos como Teli acabaram finalmente tendo a oportunidade de trabalhar em projetos de desenvolvimento que vinham há muito tempo sendo negligenciados.

Mas no dia 23 de setembro, enquanto caminhava para sua mesquita para realizar suas orações da noite, Teli foi baleado e morto.

Leia também: Caso de mãe que vendeu três filhas por R$ 6 choca a Índia

NYT
Hajara Begum, mulher de Ghulam Mohammad Yatoo, autoridade morta na Caxemira indiana (08/10)

Sua morte aconteceu logo depois do assassinato de um líder de uma aldeia vizinha. Pôsteres misteriosamente apareceram em diferentes aldeias, alertando aos membros do panchayat a renunciar. Em pânico, centenas de pessoas já anunciaram suas renúncias, e muitos dos novos conselhos de aldeia pararam de operar.

A intenção dos assassinatos parecia clara. Na aldeia Nowpora Jagir, no distrito da Caxemira, que possui uma longa história de derramamento de sangue, alguém queria arruinar os panchayats. Mas quem? E por quê?

"Há forças que não querem ver os panchayats serem bem-sucedidos", disse Mohammad Altaf Malik, um líder da aldeia. "As eleições dos panchayats criaram uma enorme esperança entre as pessoas. Agora essa esperança está aos poucos diminuindo."

Inicialmente, os líderes estaduais culparam grupos militantes pelos dois assassinatos. Mas em uma entrevista recente, o ministro-chefe do Estado, Omar Abdullah, informou sobre uma novidade: um militante foi identificado como suspeito do assassinato de Teli, mas ele continuam investigando se o motivo poderia estar enraizado em rivalidades locais, ao invés de estar relacionado a um ato terrorista em grande escala.

Panchayats já existem há muito tempo em outras regiões da Índia, mas a ausência do sistema na Caxemira significou que o poder político permaneceu com legisladores estaduais e administradores segmentados. Os panchayats mexeram com o equilíbrio dessa estrutura política, especialmente quando seus líderes eleitos - conhecidos como sarpanches - começaram a reclamar que a ordem estabelecida não era devolver o poder e dinheiro, como exigido por lei.

Enquanto autoridades continuam investigando os assassinatos, diferentes teorias e acusações surgem. Os líderes separatistas da Caxemira condenaram as morte, mas disseram que a possibilidade de envolvimento oficial não deveria ser descartada.

Por Jim Yardley

    Leia tudo sobre: índiacaxemira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG