Como nas eleições de 2008, estado tradicionalmente republicano é decisivo para a campanha do atual presidente

NYT

Em 2008, a forte participação de apoiadores de Barack Obama, em sua grande maioria afro-americanos, foi considerada crucial na transformação da Carolina do Norte em um estado democrata pela primeira vez em décadas, contribuindo para a sua vitória final.

Para que isso aconteça novamente, o presidente precisaria que esse comportamento dos eleitores afro-americanos se repetisse em todo o estado. Mas os tempos mudaram.

Mulheres trabalham em comitê da campanha de Barack Obama na cidade de Raleigh, na Carolina do Norte
NYT
Mulheres trabalham em comitê da campanha de Barack Obama na cidade de Raleigh, na Carolina do Norte

O entusiasmo é baixo, o desemprego é alto. E alguns pastores afro-americanos socialmente conservadores da Carolina do Norte, onde os eleitores passaram um referendo contra o casamento e a união civil entre homossexuais em maio, permanecem preocupados por Obama ter apoiado o casamento entre pessoas do mesmo sexo este ano.

Veja também: Especial do iG sobre as eleições nos Estados Unidos

"Quando eu votei para Obama na eleição anterior, para mim ele era o candidato que mais se adequava aos meus valores", disse o reverendo Dr. John H. Grant, 58, um pastor batista afro-americano de Asheville, Carolina do Norte. "Agora, eu estou muito indeciso".

Em 2008, Obama recebeu 95% dos votos dos afro-americanos do país, e na Carolina do Norte, praticamente toda mulher afro-americana votou para Obama, junto com 87% dos homens afro-americanos, de acordo com pesquisas.

Em recentes pesquisas nacionais, Obama está liderando a disputa contra Mitt Romney, o adversário republicano, pelo menos entre os afro-americanos.

Uma pesquisa New York Times / CBS News realizada no mês passado mostrou que 94% dos prováveis eleitores afro-americanos apoiariam Obama, em comparação a 6% que disseram que votariam para Romney. E a intensidade do apoio a Obama aumentou, com quase nove em cada 10 eleitores afro-americanos dizendo que "apoiariam" ele.

Mas ainda não está claro qual o efeito que os recentes desenvolvimentos locais terão entre os afro-americanos da Carolina do Norte, onde uma pequena queda no apoio de um eleitorado pode ter um impacto descomunal.

Alguns eleitores afro-americanos disseram que estão indecisos este ano.

Dawrence Hutley opera um carrinho de comida na rua principal de Raleigh, Carolina do Norte, que fica no meio do caminho entre a sede da campanha de Obama no Estado, de um lado da cidade, e sua base de voluntários, do outro. Mas mesmo à medida que trabalha na mira do esforço democrata para ganhar este crucial estado, Hutley, um eleitor afro-americano independente, está indeciso.

"Como sou um proprietário de um pequeno negócio, eu gosto do que Romney diz sobre os impostos, mas também faço parte da classe média, e isso faz com que eu ouça o que Barack Obama está dizendo", disse Hutley, de 30 anos.

Por Susan Saulny

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.