Sites de relacionamento dos EUA recorrem a método antigo

Com promessas de ajudar a encontrar o par perfeito, serviços de namoro online começam a optar por eventos e festas com drinks e flerte

NYT | - Atualizada às

NYT

Há muito os serviços de namoro online prometem ajudar as pessoas a encontrar um companheiro usando a ciência da estatística para prever a química pessoal. Mas alguns desses maiores serviços agora estão optando também por um toque retrô.

Vários sites estão aproximando as pessoas de uma maneira antiga, com festas onde elas podem se encontrar em bares, enquanto consomem álcool e flertam.

NYT
Emily Clapp conversa no Idle Hands Bar, em evento organizado pelo site OkCupid, em Nova York

"Houve tantas vezes que eu conheci alguém na internet e pessoalmente não tínhamos nada em comum", disse Emily Clapp, que estava em um evento de degustação de cerveja recente organizado pelo site de namoro OkCupid em um bar no bairro de Lower East Side em Manhattan. "É muito decepcionante investir todo aquele tempo trocando emails para não dar em nada."

Como muitos outros, Clapp disse que os eventos podem ajudar a identificar um potencial parceiro mais rapidamente. Online, ela acha que pode-se passar semanas ou meses trocando mensagens com alguém e depois agendar jantar ou sair para tomar algo apenas para perceber em poucos minutos que o encontro não daria certo.”

"Existe um limite para o que é possível fazer com dados e estatísticas", disse Susan Etlinger, analista de pesquisa do Grupo Altimeter, que assessora empresas sobre a melhor forma de usar a tecnologia. "Há sempre um elemento desconhecido que tem a ver com feromônios e com a natureza humana."

Mas por que você precisa se inscrever em um site de encontros para conhecer alguém em um bar? Clapp, que trabalha como contadora e tem 31 anos de idade, disse que os sites servem como um filtro, tornando mais provável que os outros participantes também sejam solteiros, estejam à procura de um relacionamento e sejam bem apessoados. Mas, inevitavelmente, ela disse, "é um pouco mais aleatório do que o serviço padrão de namoro online."

Os eventos offline, apenas para membros, são oferecidos como parte de sua assinatura mensal ou requerem a contribuição de uma pequena taxa. Enquanto muitos dos eventos são realizados em bares, outros giram em torno de atividades como aprender a fazer massas frescas, sair para caminhadas ou jogar skee-ball. Tanto o site Match.com, um serviço pago, quanto o OkCupid, que foi comprado pelo site Match o ano passado, mas atua de forma independente, estão apoiando a ideia. O Match.com comprou horário comercial durante os Jogos Olímpicos para promover "o agito", como ele chama seus encontros.

Membros

O Match.com, que tem cerca de 2 milhões de usuários pagantes, diz ter realizado algumas centenas de eventos todo mês desde maio em mais de 50 cidades. O OkCupid, que diz ter 2,9 milhões de membros ativos, organizou cerca de 100 eventos em Nova York desde o início de julho e tem planos para trazer a ideia para São Francisco, Los Angeles, Chicago e algumas outras cidades, em outubro. Ele também informou que está reformulando seu conceito para colocar os eventos na vanguarda de seu negócio.

Pequenos serviços também estão oferecendo encontros. O MeetMoi, cujo aplicativo permite aos usuários transmitir sua localização e organizar um encontro rápido, tem adotado a ideia de fazer encontros para trazer mais de seus usuários para o mesmo espaço ao mesmo tempo. E Nerve, um site de namoro com sede em Nova York, disse que está trabalhando em um aplicativo com foco nos eventos que estão acontecendo nas proximidades de seus usuários.

O movimento em direção aos eventos no mundo real se baseia em alguns estudos bem divulgados que lançam dúvidas sobre se os testes de personalidade e de dados pode prever com precisão se duas pessoas serão compatíveis. Em um desses estudos realizado em fevereiro, pesquisadores de psicologia disseram que não havia "nenhuma evidência convincente" de que o software matchmaking funcionava melhor do que métodos mais primitivos.

NYT
Evento organizado para usuários do site Grouper no Chambers, São Francisco

Os principais serviços de namoro online disseram que não estão reagindo a esses estudos. Mas eles enfrentam a concorrência de serviços que estão ignorando completamente os algoritmos, incluindo o site How About We, que permite que as pessoas pesquisem por possíveis candidatos com base nas informações que providenciam sobre qual seria um primeiro encontro ideal e o site Grouper, que envia seis pessoas sem terem se conhecido anteriormente em uma excursão de grupo.

"Nós ainda usamos nossos algoritmos ", disse Mandy Ginsberg, presidente da Match.com. "Mas talvez seja um pouco mais fácil entrar em uma sala cheia de pessoas que estão reunidas e conversando."

*Por Jenna Wortham

    Leia tudo sobre: internetnamorositeencontrosite de relacionamentoeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG