Fotógrafo registra passageiros no metrô de Nova York

Inspirado por ensaio de Walker Evans nos anos 1930 e 1940, Librado Romero fotografa passageiros no que considera ser 'o melhor estúdio da cidade'

NYT |

NYT

NYT
Foto de Librado Romero tirada no metrô de Nova York (julho/2012)

O ensaio fotográfico de Walker Evans no metrô de Nova York durante os anos 1930 e início de 1940 me incentivou a tentar o mesmo. Seus retratos cândidos, tirados de maneira que o espectator não necessariamente estivesse ciente de sua câmera, capturou o rosto desprotegido e revelador da urbanidade.

Leia também:  Em Nova York, cochilar no metrô é possível; sonhar nem tanto

Entre as massas, ele encontrou almas singulares. A técnica de Evans fez dele o "primeiro a usar o metrô como uma lente para a sociedade."

A coleção de suas imagens não foi publicada até 1966, assim como o livro "Many are Called" (Muitos São Chamados, em tradução literal), com uma introdução por James Agee.

Três anos mais tarde, como um jovem fotógrafo recém-chegado em Nova York, eu também ouvi o chamado. Não tentei esconder a minha câmera de 35 milímetros, mas como não usava flash, a maioria das pessoas parecia nem perceber minha presença. Dos que notaram, poucos pareciam se importar.

O metrô, eu descobri, era o melhor estúdio da cidade. Quase quatro décadas depois, ele ainda é.

Leia também:  Garagem do Departamento de Saneamento vira galeria de arte em NY

Com fones de ouvido e iPods, óculos e celulares, os passageiros do metrô de hoje parecem uma raça diferente dos retratados por Evans. Naturalmente emoldurados pelas janelas do vagão do metrô, eles me notam, chamando atenção com uma câmera anunciada por uma longa, lente teleobjetiva de 300 milímetros. Alguns indivíduos não se importavam, outros faziam poses, e alguns desaprovaram mostrando o dedo do meio.

Veja as imagens de Librado Romero:

Por Librado Romero

    Leia tudo sobre: nova yorkeuametrôfotografia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG