Pianos antigos são levados para lixões nos EUA

Menor custo de instrumentos novos e alto preço de manutenção faz com que cada vez mais pianos sejam descartados

NYT |

NYT

Um lixão em Southampton, na Pensilvânia, é apenas um dos muitos lugares nos quais os pianos vão para “morrer” nos Estados Unidos. Este tipo de acontecimento tem se tornado cada vez mais comum.

O preço de pianos usados, especialmente os de parede, caiu nos últimos anos. Então, ao invés de vendê-los a um vizinho, doá-los a uma igreja ou simplesmente dá-los de presente para um parente, os donos estão cada vez mais propensos a descartá-los, disseram os técnicos, agentes de mudança e revendedores.

Leia também: Para alguns mexicanos, lixo é tesouro pelo qual vale a pena lutar

NYT
Bryan O'Mare (dir.) e James Fox empilham pianos que serão levado a lixão em Southampton, na Pensilvânia (24/07)

Os agentes de mudança de pianos estão fazendo viagens regulares aos lixões, tornando-se especialistas na destruição destes instrumentos, vendendo suas peças para artistas e até mesmo utilizando sua madeira como lenha.

"Normalmente os destruímos com uma marreta", disse Jeffrey Harrington, dono da empresa Harrington Moving & Storage, com sede em Maplewood, Nova Jersey.

Os pianos são feitos de centenas de quilos de metal, madeira e peças capazes de canalizar Bach, Mozart e Beethoven, juntamente com a possibilidade de um harmonioso "Feliz Aniversário" e canções natalinas. É estranho pensar neles como algo descartável.

No entanto, questões econômicas e culturais têm feito com que muitos pianos usados, com exceção dos Steinways e alguns de outras marcas mais sofisticadas, sejam descartados.

Por causa de suas diversas partes e peças, arrumar um pianos tradicional custa caro e exige longas horas de trabalho por técnicos qualificados, que por si só estão diminuindo. Excelentes pianos digitais e teclados portáteis hoje estão custando pouco. Pianos importados de marcas menos conhecidas melhoraram bastante de qualidade e podem ser comprados por menos de US$ 3 mil.

"Ao invés de gastar centenas ou milhares de dólares para arrumar um piano antigo, você pode comprar um novo, feito na China, que é tão bom quanto, ou você pode comprar um piano digital que não precisa de ajuste e tem todos os tipos de timbres", disse Larry Fine, editor da revista Acoustic & Digital Piano Buyer, a bíblia da indústria.

Muitos pianos também estão morrendo de velhice. No final do século 19 e início do século 20, antes do rádio e das gravações, os pianos eram a principal fonte de entretenimento musical em casa. Eles costumavam ser uma peça essencial na casa de qualquer indivíduo da classe média.

A vida média de um piano raramente excede os 80 anos, disseram os técnicos de piano. É por isso que uma enorme quantidade de pianos hoje está chegando ao fim de suas vidas.

Revendedores de piano também culpam outros elementos pela falta de demanda no mercado de pianos usados: cortes na educação musical nas escolas, a concorrência por tempo de prática de outras atividades, e uma queda nos gastos com mobilias domésticas devido à crise do setor imobiliário.

Seja qual for a razão, as pessoas no mundo do piano concordam que os despejos estão aumentando.

Beethoven Pianos, uma restauradora, revendedora, empresa de mudanças e negociante de pianos em Nova York, tem um armazém de 3 mil metros quadrados, com dezenas de pianos aguardando eliminação, disse o proprietário, Carl Demler.

"No inverno, nós os queimamos", disse, apontando para um fogão de metal redondo. "Este fogão tem se alimentado de muitos pianos."

NYT
Bryan O'Mare empurra piano que será levado para lixão (24/07)

Muitas empresas de mudança disseram que se esforçam para encontrar lares para os pianos abandonados, fazendo visitas em casas de repouso, escolas e outras instituições.

"É muito desagradável destruí-los", disse O'Mara, cuja empresa tenta doar os pianos que são descartados. Qualquer piano resgatado, observou ele, é também um serviço de mudança em potencial para O'Mara Meehan.

Brian Goodwin, que é dono da empresa de mudança Movers Piano de Nashua, Nova Hamsphire, e que recentemente tinha 30 pianos em seu armazém prontos para serem despejados em um lixão, disse que criou o website Adote um Piano como parte de um objetivo de encontrar lares para pianos indesejados. Ele publicou o vídeo dos pianos sendo despejados e desmantelados, que causou reações indignadas.

Quando os donos de um piano perguntam para onde eles irão levá-lo, disse, ele tenta evitar o assunto ou lhes diz que será colocado para adoção. "A última coisa que eles querem ouvir é que ele vai para um aterro sanitário", disse ele.

Mas os agentes que fazem mudanças dos pianos também conseguem ter uma visão mais clínica sobre o assunto, já que compreendem as realidades econômicas atuais.

Apesar de reconhecer que o ato de destruir pianos pode ser algo doloroso, disse Goodwin: "Para ser bem sincero, os caras se divertem. Eles se esforçam o máximo possível durante o dia inteiro para não causar nenhum arranhão nos pianos e de repente eles tem a oportunidade de jogá-lo para fora da parte traseira de um caminhão. "

Por Daniel J. Wakin

    Leia tudo sobre: euapianolixãolixo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG