Murais desaparecem das ruas do Harlem, em Nova York

Amigos do artista Franco Gaskin tentam salvar últimas 25 das 200 obras pintadas por ele, ameaçadas em meio à recuperação do bairro

The New York Times |

Uma das primeiras obras que Franco Gaskin notou não estar mais em seu lugar foi o mural de Martin Luther King Jr. chorando que ele tinha pintado há 18 anos. O mural estava em um portão de metal de uma loja abandonada em Nova York onde Martin Luther King Jr. supostamente havia participado de uma noite de autógrafos .

Depois, o mural de uma colheita abundante que ele pintou na porta de uma antiga quitanda chamada Family Fruit Fair, que hoje é uma Starbucks, desapareceu. Outra de suas imagens que também sumiu foi a que representava o voo de uma Fênix perto do sol, pintado do lado de fora de uma pequena loja que hoje é uma farmácia Rite Aid.

Leia também: Loja de bebidas remete a velhos tempos do Harlem e causa polêmica

NYT
Franco Gaskin, artista que pintou cerca de 200 murais no Harlem; hoje só restam 25

Quando este trecho da Rua 125 no bairro do Harlem não passava de uma lúgubre região comercial, Gaskin, um artista que ganhou fama mundial como Franco “O Grande”, costumava pintar murais nas paredes e portas. Ele chegou a pintar cerca de 200 murais na região.

"Existia um estigma sobre o Harlem", disse Gaskin, 82, sentado em seu bagunçado apartamento perto da Rua 125. "Só estava tentando embelezar a rua, só queria dar às pessoas a oportunidade de ver algo diferente."

Leia também: Grafiteiros de Nova York homenageiam vítimas de violência

Agora, à medida que novos negócios e aluguéis elevados remodelam esta rua, muitas obras de Gaskin começaram a desparecer.

À medida que as antigas empresas que tomavam conta da região fecham ou mudam de local, os antigos portões de aço, vestígios do passado conturbado do bairro de Harlem, juntamente com grande parte do trabalho genial de Gaskin, acabaram no lixo.

Hoje, apenas cerca de 25 dos 200 portões de aço pintados permanecem intactos.

Quando a notícia se espalhou sobre o que estava acontecendo com os murais, os amigos de Gaskin formaram um grupo sem fins lucrativos – a Equipe Franco - para tentar salvar o máximo possível de suas obras.

Eles recentemente tentaram falar diretamente com alguns dos proprietários, pois os donos das lojas e os gerentes não exercem muita influência. Em cartas escritas para os proprietários, eles pediram para levar os portões embora caso fossem substituídos. Até agora, não receberam respostas.

Os amigos de Gaskin planejam realizar uma petição para ajudar a salvar os murais e devem apresentar as assinaturas à Câmara Municipal de Nova York.

A Equipe Franco também está trabalhando junto às autoridades locais para conseguir encontrar um local no Harlem para abrir uma galeria onde os murais possam ser expostos.

"Quando aquele local estava abandonado, ele enxergou os portões como um lugar para criar beleza", disse o senador estadual Bill Perkins. "Ao fazer isso, ajudou a recuperar o Harlem".

Por Kia Gregory

    Leia tudo sobre: nova yorkharlemeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG