Mistérios cercam primeira-dama e futuro da Coreia do Norte

Anúncio sobre casamento de Kim Jong-un marca diferença de estilo em relação a seu pai, mas não diminui incerteza sobre seus planos

The New York Times |

Ela foi vista pela primeira vez em um evento de gala para as principais figuras públicas do país, vestindo um terninho preto no estilo Chanel. Então, ela fez uma visita a um jardim de infância, atraindo fotógrafos que a registravam sorrindo gentilmente para as crianças que brincavam em um escorregador. Sua última aparição, na inauguração de um parque de diversões, também atraiu bastante atenção: as câmeras estavam adorando aquela mulher magra, com um sorriso gentil e uma jaqueta de bolinhas.

Leia também: Líder norte-coreano é casado desde 2009

Reuters
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, ao lado da mulher, Ri Sol-ju, durante inauguração de parque de diversões (foto divulgada em 25/07)

A apresentação de Ri Sol-ju como primeira-dama da Coreia do Norte, na quarta-feira, foi feita com pouco alarde, quase como uma reflexão tardia, no momento em que a TV estatal mostrava imagens da abertura do novo parque em Pyongyang. "Enquanto uma canção de boas-vindas tocava", a televisão estatal comentou, "o marechal Kim Jong-un apareceu no local da cerimônia, com sua esposa, a camarada Ri Sol-ju."

O fato de que Ri tenha sido apresentada publicamente foi considerado algo significativo. De acordo com analistas especializados em Coreia do Norte, trata-se de um dos sinais mais recentes de que Kim está rompendo com o estilo de liderança de seu pai, Kim Jong-il, um homem sisudo que era conhecido por ter casado com artistas belas, mas que nunca as apresentou para o público.

"Sigilo e segredos caracterizaram o governo de 17 anos de Kim Jong-il", disse John Park, pesquisador do Centro Belfer para Ciência e Assuntos Internacionais na Universidade de Harvard. Até agora, Kim Jong-un demonstrou ser mais aberto e convidativo. Ele parece gostar de eventos públicos e de interagir com crianças e soldados. Muitas dessas aparições recentes pareciam ser uma reencenação da época em que seu avô se misturava com as pessoas comuns.

A introdução de Ri foi acompanhada por semanas de surpresas de Kim. Primeiro, ele apareceu sorridente durante um show do Mickey Mouse , anteriormente considerado um símbolo do Ocidente corrupto.

Em seguida, demitiu um general de alto escalão conhecido por ser bastante rígido e retirou importantes vantagens financeiras do serviço militar, movimentos que analistas viram como sinais de que ele estava tentando domar o poderoso Exército do país - e até mesmo, eventualmente, fazer reformas econômicas que poderiam permitir que o país se abrisse um pouco para o mundo.

O anúncio de seu casamento, segundo analistas, pareceu ser uma continuação do que pode ser ou uma mudança de política ou uma ofensiva de propaganda - ou as duas coisas.

De acordo com analistas, uma mudança por parte de Kim poderia ressoar entre uma nova geração que está lentamente aprendendo sobre o mundo - e sobre as falhas do seu próprio país - através de uma proliferação de celulares contrabandeados e programas de televisão da Coreia do Sul. O estilo de Ri, dizem, parece ser parte da construção de uma nova imagem jovial; durante anos as mulheres da Coreia do Norte foram fotografadas usando apenas vestidos tradicionais ou roupas de trabalho.

É difícil julgar o quão importante a ascensão de Ri será no mundo da política.

Kim já fez algumas mudanças significativas desde que subiu ao poder após a morte de seu pai , em dezembro. Entre elas, o reconhecimento público de algumas falhas que seu pai e avô quase certamente teriam escondido. Ele tem sido muito mais contundente sobre a escassez de alimentos, prometendo fazer mais para garantir que o seu povo não passe fome, e ele admitiu que um importante lançamento de foguete foi um fracasso.

Mas desertores e outros contatos de dentro da Coreia do Norte disseram que o governo também reforçou o controle de sua fronteira com a China para evitar a saída dos norte-coreanos e evitar com que haja uma invasão da mídia estrangeira. E ele tampouco demonstra sinais de que vá desistir do programa de armas nucleares de seu país, nem de abandonar os "princípios socialistas relacionados a questões econômicas."

A introdução discreta de Ri para o seu povo acabou com semanas de especulações feitas fora do país sobre quem era essa "mulher misteriosa" que de repente apareceu ao lado de Kim.

Mesmo agora, no entanto, muitas coisas ainda permanecem desconhecidas. Ela pode até ser a fundadora de uma banda de garotas, que tem a participação de integrantes que tocam instrumentos de cordas vestindo minissaias, que se apresentaram no famoso concerto em que Ri estava sentada à direita de Kim. Ela não parece ser, no entanto, a antiga paixão que, de acordo com a mídia, Kim teve que abandonar por ordens de seu pai.

Por Choe Sang Hun

    Leia tudo sobre: coreia do nortekim jong ilri sol jukim jong un

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG