No verão, intrigas do Partido Comunista da China são discutidas à beira-mar

Veteranos do partido único se reúnem em Beidaihe, no Mar de Bohai, costa nordeste da China, para definir o futuro do comitê central da legenda

The New York Times | - Atualizada às

É verão em Beidaihe, na China, e isso significa uma coisa: os idosos do Partido Comunista e suas famílias se reúnem nesse balneário, a cerca de 289 quilômetros de Pequim, para nadar, comer, fofocar e para definir o futuro da nação mais populosa do mundo.

As intrigas do palácio do governo se mudaram para casas de veraneio à beira-mar.

Leia também:  Mulher de político chinês afastado é indiciada por assassinato

NYT
Banhistas na praia de Beidaihe, na costa do Mar Amarelo chinês

Em suas mansões vigiadas, os atuais e ex-líderes do país negociam para tentar colocar aliados no Politburo, formado por 25 membros, e seu Comitê Permanente de elite, no topo da hierarquia do partido.

Os escolhidos serão anunciados no 18º Congresso do Partido neste outono em Pequim, tornando-se assim a segunda transição de liderança em mais de 60 anos de regime comunista.

"É aqui que são resolvidas as disputas de facções e onde são tomadas as decisões", disse Li, morador da região que, como outros entrevistados, falou sob condição de anonimato por causa da natureza delicada da política chinesa. "Então, nas reuniões que ocorrem no outono, todo mundo não precisa fazer nada a não ser levantar as mãos em aprovação."

As conversas informais estão previstas para começar no fim deste mês e devem terminar apenas em agosto, dando continuidade a uma tradição que foi parcialmente ofuscada depois que o líder máximo da China, o presidente Hu Jintao, assumiu o poder das mãos de Jiang Zemin, em 2002, e ordenou menos operações e acordos feitos em locais como a praia durante o verão. Mas Jiang supostamente se irritou com isso e continuou se reunindo em Beidaihe com seus aliados.

Neste ano, existem complôs e contra-complôs.

Bo Xilai

As negociações que ocorreram em Beidahe serão complicadas pelo escândalo contínuo de Bo Xilai , o membro deposto do Politburo que era até recentemente o líder do partido em Chongqing. Alguns observadores políticos esperavam que a essa altura o partido já tivesse concluído a investigação sobre Bo e sua esposa, que foi indiciada pelo assassinato de um homem de negócios britânico.

Os líderes do partido estão considerando reduzir o número de assentos do Comitê Permanente de nove para sete, como foi o caso em 2002, de acordo com algumas informações privilegiadas fornecidas por membros do grupo.

Política: Escândalo traz questões sobre riqueza de familiares de Bo Xilai

Acredita-se que Hu Jintao apoie essa mudança, que é em parte destinada a conter o fortalecimento de grupos de interesse no poder político do país. Isso poderia significar o comprometimento com duas frentes - a propaganda e a chamada "política de direito", que engloba a segurança interna - possivelmente acrescentando-as aos deveres de outros líderes ou rebaixando-as ao nível do Politburo

"Com menos pessoas, eles podem concentrar o poder e aumentar sua eficiência", disse um oficial de uma organização de mídia estatal.

NYT
Parente do ex-premiê Zhou Enlai é ajudado em entrada de restaurante do balneário de Beidaihe

*Por Edward Wong e Jonathan Ansfield

    Leia tudo sobre: chinabo xilaipolitburopartido comunista chinêsBeidaiheverãopraia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG