Site sobre comida kosher guia judeus ortodoxos fãs do Starbucks nos EUA

Diante da dificuldade das regras sobre alimentos que obedecem à lei do judaísmo, irmãos americanos criaram serviço online para saber o que é permitido consumir em cafés da rede

The New York Times |

Uri Ort sabe mais sobre o Starbucks do que qualquer outra pessoa, mas ele não diz quais são suas lojas prediletas da rede. Ele não diz onde foi que bebeu sua primeira bebida predileta do Starbucks, o Tall Vanilla Latte, nem onde no verão ele prefere pegar sua bebida gelada predileta, o Vivanno de Manga com Laranja e Banana.

Alistamento:  Debate sobre serviço militar esbarra na identidade nacional de Israel

"Eu vou em diversas lojas dO Starbucks", disse Ort, um judeu ortodoxo de 26 anos de idade. "De fato, não vou à nenhuma loja específica. Essa é a verdade. Eu sou amigo de baristas no Texas, em Chicago, Baltimore, Nova York e Nova Jersey."

NYT
Uri Ort, que criou o site kosherstarbucks.com, em frente a uma loja da rede Starbucks em Nova York

Ort, um gerente de e-commerce que vive no Lower East Side de Manhattan, administra o site kosherstarbucks.com. Ele é o líder amador no mundo da "kosherologia" do café - que é como está sendo chamada a ciência de descobrir o que é kosher, ou o que os judeus tradicionais religiosos podem consumir, no Starbucks.

Como quase todo mundo que não é mórmon, os judeus religiosos precisam de seu café. E em muitos quarteirões, em muitas cidades, aeroportos, da região das florestas de sequóias até as águas mornas do Golfo, de São Francisco até Ashtabula, café muitas vezes significa Starbucks.

Nova York:  Judeus ultraortodoxos condenam delatores de abusos em comunidade

Os grãos de café e água quente são kosher: eles não entram em conflito com as proibições bíblicas contra alimentos como carne de porco e marisco. Mas o Starbucks oferece em seu cardápio itens como sanduíches com presunto. E as garrafas, facas e outros utensílios podem se misturar nas pias das lojas da rede Starbucks e nas máquinas de lavar louças, o que significa que as partículas de, digamos, uma mistura de um smoothie não kosher podem contaminar uma colher utilizada para preparar um café com leite.

As regras para quais ingredientes são kosher e o que faz com que os utensílios sejam kosher são muitas e complicadas. Para ajudar a resolver estas questões, Ort e seu irmão Teddy começaram um site que dizem ser consultado por milhares de pessoas para saber o que é permitido comer e beber no Starbucks.

Religião: Garota de oito anos provoca debate sobre extremismo em Israel

"Demos início ao site em 2007, porque sou um pouco obcecado pelo Starbucks, e também tenho um grande interesse em kosher", contou Ort. "A página começou como um esforço pessoal, para descobrir o que era kosher e o que não era. Eventualmente, eu tinha amigos me perguntando e percebi que podia disponibilizar essas informações na internet. Ele começou como algo bem pequeno mas cresceu bastante."

Ort nem sempre foi um fanático por Starbucks. Crescendo em Lakewood, Nova Jersey, ele passou uma época frequentando a rede Dunkin' Donuts. "Mas depois eu passei um tempo em Israel e lá me acostumei a um café muito forte. Quando voltei para os Estados Unidos não consegui me acostumar de novo com o café da Dunkin' Donuts", contou.

Ele começou a frequentar o Starbucks e ficou amigos de alguns baristas na região de Lakewood. Eventualmente, sua rede de amigos baristas aumentou. "Um monte de amigos meus do Facebook são baristas da Starbucks", disse ele sobre a rede de amigos que ajuda a deixar seu site sempre atualizado.

Tendência

Ort não é o único a participar dessa tendência. O rabino Sholem Fishbane, supervisor kosher para o Conselho Rabínico de Chicago, passou mais de dois anos frequentando lojas do Starbucks ao redor do mundo, pesquisando bastante para seu "Guia para Bebidas do Starbucks", que lançou em 2011. "Eu diria que visitei 50 ou mais lojas da rede Starbucks", disse Fishbane. "É seguro dizer que percorri quase três quartos dos Estados Unidos. Eu também fui para o Japão".

O guia de Fishbane é bastante meticuloso. Por exemplo, ele discute detalhadamente a máquina de lavar louça do Starbucks, que usa água a uma temperatura de 180 graus - uma temperatura bastante sanitária, mas ruim para o a questão kosher do Starbucks, pois é considerada quente o suficiente para absorver os sabores não kosher em uma panela.

Fishbane é um supervisor kosher em tempo integral, e suas visitas às lojas Starbucks eram apenas algo que ele fazia quando encontrava uma loja por perto durante suas viagens. Ort, pelo contrário, faz parte da comunidade Starbucks - e, segundo ele, é um guia mais confiável do que até mesmo alguns dos profissionais do ramo.

"As grandes agências de certificação, como a Star-K e o Conselho Rabínico de Chicago, afirmam de muito rapidamente que certas bebidas no Starbucks não são kosher", disse Ort. "Assim eles se posicionam de maneira segura enquanto atrapalham milhares de pessoas, quando na verdade, de acordo com a lei judaica, muitas das bebidas são completamente kosher".

Consultas

Ort está constantemente respondendo a perguntas enviadas por correio e-mail de todo o mundo. Os interessados podem obter suas atualizações via e-mail, para o qual ele sugere que seja feita uma doação de US$ 3.

As atualizações por e-mail são necessárias, diz ele, pois o fluxo de produtos do Starbucks está sempre em constante mudança. O tráfego da web é mais intenso "sempre que novas bebidas são lançadas", disse ele. E isso normalmente acontece o tempo inteiro.

"Agora estamos lidando com bebidas da primavera e logo mais vamos ter bebidas de verão. Então vamos ter as de outono, em seguida, as da temporada de férias, quando eles lançam as bebidas de Natal. "

Bebidas de férias, bebidas de Natal. "É muito para um judeu acompanhar", brincou.

*Por Mark Oppenheimer

    Leia tudo sobre: starbucksjudeuortodoxokosheralimentotoráreligiãoeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG