Irã camufla navios petroleiros para burlar embargo da União Europeia

Apesar de sanções ao petróleo iraniano, país persa está relutante em diminuir produção petrolífera por medo de danificar poços e estoca mercadoria dentro de navios no mar

The New York Times |

O petroleiro Netuno flutuava sem rumo na semana passada nas águas quentes do Golfo Pérsico, uma nova camada de tinta preta mal conseguia esconder sua verdadeira identidade como um navio iraniano carregado com centenas de milhares de barris de petróleo que ninguém está disposto a comprar.

Embargo: Ahmadinejad reconhece que sanções ao país são as mais duras já impostas

O verdadeiro nome do navio era Irã Astaneh e ele fazia parte de uma frota de cerca de 65 petroleiros iranianos que servem como instalações flutuantes de armazenamento de petróleo iraniano, sendo que cada um deles foi reformado para ocultar a sua origem e facilitar a procura por um comprador. O Netuno ficou flutuando durante um mês, e os pescadores locais disseram que havia dois outros navios ainda maiores ancorados nas proximidades.

NYT
Petroleiro iraniano ganhou camada de tinta preta para se camuflar nas águas do Golfo Pérsico

O Irã, confrontado cada vez mais com rigorosas sanções econômicas impostas pela comunidade internacional para forçá-lo a abandonar qualquer ambição de desenvolver armas nucleares, tem sido relutante em reduzir sua produção de petróleo, temendo que isso poderia danificar seus poços.

Retaliação: EUA elogiam embargo da UE a petróleo iraniano e pressionam Teerã

Mas o país persa tem espaço suficiente para armazenar o petróleo que não pode vender. Então, enquanto trabalha constantemente para construir armazenamentos em terra, ele guarda seu estoque de petróleo dentro de navios no mar.

"Nós nunca havíamos presenciado tantos petroleiros apenas esperando para vender o petróleo", disse Rostam, um pescador e contrabandista que trabalha nas águas da região. Após anos de rebeldia e insistência dizendo que as sanções não faziam nenhum efeito em seu país, os iranianos estão reconhecendo que a última rodada de sanções causou um impacto um pouco mais alarmante . O presidente Mahmoud Ahmadinejad disse em 2 de julho que elas foram as “piores sanções impostas” até o momento.

Exportações

Especialistas internacionais em petróleo disseram que as exportações iranianas já foram cortadas por pelo menos um quarto desde o início do ano, custando ao Irã aproximadamente US$ 10 bilhões até agora em perdas de receitas. Muitos especialistas disseram que o problema iraniano está apenas começando, já que os preços do petróleo vêm caindo e as vendas do Irã devem cair ainda mais com o embargo europeu que entrou em vigor em 1º de julho.

A queda nas vendas brutas fez com que Teerã se deparasse com diversos desafios. Além do impacto financeiro, o Irã tem de descobrir o que fazer com todo o petróleo que continua produzindo. O Irã está bombeando cerca de 2,8 milhões de barris por dia - um valor cerca de 1 milhão de barris diários abaixo do registrado no início do ano. Mas está exportando apenas cerca de 1,6 milhões a 1,8 milhões de barris diariamente.

Presença militar: EUA se posicionam no Golfo em sinal de alerta

O produto bruto não vendido está sendo armazenado no que tem sido estimado em ser dois terços da frota de petroleiros iraniana. A maioria dos navios navega em círculos ao redor do Golfo Pérsico à medida que o Irã tenta vender o petróleo bruto a preço baixo.

Especialistas internacionais em petróleo estimam que o Irã está armazenando cerca de 40 milhões de barris - o equivalente a duas semanas de produção - nos navios petroleiros. Um adicional de 10 milhões de barris estão sendo armazenados em terra.

*Por Thomas Erdbrink e Clifford Krauss

    Leia tudo sobre: irãpetróleoembargonaviospetroleirosgolfo pérsicoeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG