Mercado negro de órgãos prolifera em meio à pobreza na Europa

Dos países atingidos pela crise econômica, como a Espanha, a regiões marcadas por guerras, como a Sérvia, tráfico de órgãos surge como solução frente ao desemprego

The New York Times |

Pavle Mircov e sua parceira, Daniella, verificam seus emails a cada 15 minutos, desesperados por alguma salvação econômica: um comprador disposto a pagar cerca de US$ 40 mil por um de seus rins.

EUA: Promotor investigará tráfico de órgãos na Guerra do Kosovo

O casal, pais de dois adolescentes, disponibilizaram seus órgãos para venda em um site local de classificados há seis meses, depois que Mircov, 50 anos, perdeu o emprego em uma fábrica de carne em Belgrado, na Sérvia. Ele não conseguiu encontrar nenhum outro tipo de emprego, então começou a se desesperar.

NYT
O sérvio Pavle Mircov, que anunciou a venda de seu rim na internet, após perder seu emprego

"Quando você precisa colocar comida na mesa, a venda de um rim não parece ser um sacrifício tão ruim assim", disse Mircov.

Tendo de enfrentar uma pobreza opressiva, alguns europeus estão tentando vender seus rins, pulmões, medulas ósseas ou córneas, disseram especialistas. O fenômeno é relativamente novo na Sérvia, uma nação que foi atingida pela guerra e está diante da crise financeira que atingiu todo o continente.

A disseminação da venda de órgãos ilegais para a Europa, onde a crise está mais forte, foi estimulada pela internet, pela escassez mundial de orgãos para transplantes e, em alguns casos, por traficantes sem escrúpulos dispostos a explorar a miséria econômica.

Na Espanha, Itália, Grécia e Rússia, anúncios de pessoas revendendo órgãos - assim como como leite materno, esperma e cabelo - apareceram na internet, com preços para os pulmões elevados como US$ 250 mil.

No fim de maio, a polícia israelense deteve 10 membros de uma rede criminosa internacional suspeita de tráfico de órgãos na Europa, disseram policiais da União Europeia. Os oficiais disseram que os suspeitos tinham como alvo pessoas pobres na Moldávia, Cazaquistão, Rússia, Ucrânia e Bielorrússia.

Saiba mais: Veja o especial sobre crise econômica mundial

"O tráfico de órgãos é uma indústria em crescimento", disse Jonathan Ratel, um promotor da União Europeia que está conduzindo um processo contra sete pessoas acusadas de atrair vítimas pobres da Turquia e de ex-países comunistas ao Kosovo para vender rins com falsas promessas de que irá pagar um valor cerca de US$ 20 mil.

"Grupos criminosos organizados estão indo atrás dos mais vulneráveis em ambos os lados da cadeia econômica. Pessoas que são vítimas de pobreza crônica e pacientes ricos desesperados que fazem qualquer coisa para sobreviver".

NYT
Ervin Balo (E) tentou vender um rim para ajudar a família, em Kikinda, Sérvia

*Por Dan Bilefsky 

    Leia tudo sobre: criseeuropaórgãossérviaespanhaitáliagréciarússiatráfico de órgãos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG