Ann Romney: uma determinada militante ao lado do marido em campanha

Antes mesmo de o republicano Mitt Romney concorrer a seu primeiro cargo político, em 1977 sua mulher concorreu e foi eleita representante da cidade de Belmont, em Massachusetts

The New York Times |

Anos antes de Mitt Romney concorrer a seu primeiro cargo político, sua esposa Ann foi eleita para um cargo público.

Imigração: Nova postura de Obama coloca Romney em situação delicada

Em 1977, Ann Romney , na época com 27 anos, concorreu a um cargo de representante da cidade de Belmont, Massachusetts, onde o jovem casal vivia. Ela estudou as questões locais e circulou a cidade conversando com seus moradores. Ela mesma imprimiu panfletos contendo uma fotografia de si mesma com sua plataforma de governo - que entregou de porta em porta.

NYT
Ann em comício com o marido, Mitt Romney, em Tampa, Flórida

A grande questão da campanha era "mudar ou não o Corpo de Bombeiros", lembrou Ann Romney. "Eu ganhei".

A Ann Romney que aparece diante dos eleitores de hoje é uma acolhedora mãe de cinco, dedicada avó de 18, e a brilhante presença ao lado do marido nas noites eleitorais. Mas a militante determinada de mais de três décadas atrás oferece um vislumbre da mulher que existe para além da companheira graciosa, alguém com uma veia competitiva que desfrutou de uma incursão precoce na política e que, segundo os amigos, tem nervos de aço por trás de um sorriso dócil.

Embora sua biografia descreva um curso aparentemente convencional, que é mais Laura Bush do que Michelle Obama, Ann Romney é alguém que superou as expectativas dos outros, e não se esforçou para cumpri-las.

Saiba mais: Veja o especial iG sobre eleição nos EUA

Ela iniciou a sua conversão ao mormonismo porque estava em uma busca espiritual, e não para agradar seu então namorado Mitt Romney. Ela se casou jovem e começou uma família sob protestos de seus pais. Ela escolheu se tornar uma dona de casa, mesmo que as mulheres de sua época tenham optado pela carreira e, como ela mesma disse, "viraram o nariz para mim". Ela sempre planejou ter sua própria carreira mais tarde na vida, mas essas ambições foram atrapalhadas por sua luta contra a esclerose múltipla.

"Eu me considero uma pessoa muito forte, muito independente, e alguém que define seu próprio caminho", disse Ann Romney, 63 anos. "Eu não me preocupo com o que as outras pessoas pensam ou fazem."

Por quase duas décadas, Ann Romney apoiou as aspirações políticas do marido, e agora que ele conquistou a candidatura presidencial republicana ela está ganhando visibilidade e liderando eventos políticos. A equipe de seu marido a está disponibilizando para entrevistas e a cercou com supervisores para ajudá-la a suportar o crescente escrutínio.

Lições

Como Michelle Obama e Laura Bush, ela já teve profundas reservas sobre a política e aprendeu os perigos de ser uma combatente. A primeira disputa de seu marido, ao contrário de sua própria incursão na política em Belmont, acabou em uma amarga derrota, quando ele perdeu a disputa pelo senado para Edward M. Kennedy e ela saiu na mídia como uma senhora frívola. Depois disso, ela disse ao Boston Globe: "Nunca mais. Nem que me pagassem eu faria isso de novo."

NYT
Romney e sua mulher Ann, que é definida como uma 'leoa' competitiva por assessores de campanha

Desde então, porém, ela se tornou a maior promotora de seu marido, disposta a mergulhar na disputa política e a encorajar Mitt Romney a lançar-se em sua disputa atual, embora a maioria de sua família tenha sido contra. Enquanto ele enumerava todos os obstáculos possíveis, ela o cortou dizendo: "Não, eu não vou considerar essas coisas porque isso muda todos os dias."

Ann Romney tem proporcionado alguns vislumbres sobre o tipo de primeira-dama que poderia ser caso seu marido chegue à Casa Branca. Ela não exibe o tipo de desejo que Hillary Rodham Clinton tinha de se envolver em questões políticas, embora tenha manifestado interesse em questões de saúde. Ela vê um possível exemplo em Michelle Obama, a quem elogiou como "gentil e adorável", e que representa o mesmo contrapeso para um marido mais distante.

Na criação de seus cinco filhos, Ann Romney disse que seu marido era mais objetivo enquanto ela era mais branda. Ela é decisiva, enquanto ele é deliberativo. Ele não gosta de sair do roteiro programado, enquanto ela descaradamente menciona suas várias casas e cavalos, temas quentes para uma campanha que tenta não destacar a riqueza dos Romneys. E enquanto ele é sério, ela pode ser irreverente.

Perguntada por que seu marido colocou muitos de seus bens no nome dela anos atrás - na época, Mitt Romney disse que o casal havia decidido que "Ann se sentiria mais confortável se tivesse bens em seu nome" - ela brincou: "Você sabe qual é a verdadeira razão disso para Mitt? Ele quer ter certeza de que nunca mais terá de se casar novamente. 'Você tem todo o dinheiro! Então, você nunca terá de se casar de novo!'"

Campanha: Obama defende Ann Romney após democrata dizer que ela 'nunca trabalhou'

Mas o casal compartilha intensidade e motivação semelhantes. Certa vez, ela empurrou - literalmente - uma pessoa que ameaçou seu marido quando ele era governador de Massachusetts, segundo seu filho mais velho Tagg.

Além disso, como seu marido, ela odeia perder. "Ela é uma leoa, muito competitiva e determinada", disse Alex Castellanos, um assessor da campanha de Romney em 2008. Perder a aborrece, disse ele, acrescentando que ela espera que os outros se comprometam tão profundamente quanto ela com a causa de seu marido. "Ela é uma espécie de pessoa que se doa por inteiro."

*Por Ashley Parker

    Leia tudo sobre: euaeleição nos euaromneyann romneyrepublicanoscampanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG