Morte de especialista ressalta perigos de munições abandonadas na Líbia

Quase um ano depois da queda de Muamar Kadafi, problema de estoques de armas ainda é problema e coloca em risco vida de população

The New York Times |

A morte de um técnico de eliminação de dispositivos explosivos da Estônia na Líbia chamou atenção para um problema contínuo com estoques de armas abandonadas quase um ano depois da queda de Muamar Kadafi .

Pós-revolta: Países enfrentam obstáculos para recuperar bens de ditadores depostos

O técnico Kaido Keerdo morreu em março enquanto examinava munições não detonadas espalhadas perto de um complexo da polícia e um posto de controle em Ad Dafniyah, como parte de seu trabalho para o grupo de auxílio Danish Church Aid (Ajuda da Igreja Dinamarquesa, em tradução livre).

NYT
Foto de arquivo mostra opositor ao regime do ex-ditador Muamar Kadafi com lança-mísseis em Brega, na Líbia

O posto havia sido disputado por milícias líbias rivais três noites antes. Os grupos disputavam acesso a 22 contêineres da era de Kadafi, de acordo com a investigação do grupo de auxílio.

Um dos recipientes foi atingido durante os combates e pegou fogo. A explosão destruiu pelo menos outros 11 contêineres, arremessando ao ar uma coleção mal armazenada de granadas, foguetes e morteiros, alguns dos quais aterrissaram quase a 450 metros de distância do local da explosão.

As munições ficaram espalhadas perto de casas, uma mesquita e uma escola ao longo da principal estrada costeira da Líbia.

Milícias inadequadamente treinadas e policiais mal preparados haviam armazenado foguetes e bombas com seus fusíveis inseridos, uma combinação bastante perigosa. Em meio aos equipamentos estavam foguetes de 122 milímetros que continham minas terrestres do tipo 84, uma das armas mais voláteis nos estoques pré-guerra da Líbia.

Keerdo, um líder da equipe de desativação de minas, foi examinar o complexo policial e, aparentemente, ajoelhou-se perto de um destes foguetes. Pelo menos uma mina explodiu, matando-o instantaneamente.

Mas esse tipo de acidente não é o único risco relacionado com as enormes reservas de armas da Líbia.

Violência

As armas abandonadas contribuem para a criminalidade e a violência interna na Líbia, tanto entre milícias rivais quanto contra estrangeiros. Nos últimos dias, um Consulado dos Estados Unidos e um carro diplomático britânico foram atacados.

E repetidos relatos de contrabando - para traficantes, insurgentes ou terroristas da Argélia, Chade, Egito, Líbano, Mali, Síria, Tunísia, territórios palestinos e outros lugares - têm circulado na região desde o ano passado.

Para Knut Furunes, que administra o esforço realizado pelo grupo de auxílio dinamarquês para limpar a região de munições abandonadas, a cadeia de eventos que mataram Keerdo, 31 anos, ressaltou muitos problemas ainda existentes no país.

*Por C.J. Chivers

    Leia tudo sobre: líbiamundo árabemuniçõeskadafirevoltaarmas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG