Exército dos EUA privatiza hotéis para melhorar serviço e economizar dinheiro

Empresas privadas renovam estabelecimentos nos quais soldados se hospedam durante treinamento ou para receber atendimento médico

The New York Times |

Este hotel poderia ser igual a qualquer Holiday Inn Express, com uma entrada bem iluminada e um pequeno restaurante. Mas em uma tarde recente, quase todos ao seus hóspedes usavam uniformes e botas de combate. Um cartaz perto do hall de entrada com fotos de comandantes da base militar recebia os recém-chegados neste lugar que já foi um quartel-general.

No hotel de Fort Hood, coisas consideradas comuns no mundo civil são vistas como novas e inovadoras. Seus 274 quartos foram reformados e equipados com televisões de LCD e bancadas de mármore. Há um acervo de DVDs para locação sem custo e uma nova piscina externa com paisagismo e um deque.

Leia também: Suicídios de soldados americanos superam mortes durante combate

NYT
Soldado caminha por corredor em antiga instalação militar em Fort Hood, no Texas, transformada em Holiday Inn

Nos últimos três anos, o Exército entregou a maioria de seus 17 mil quartos de hotel para grandes empresas para que pudessem renová-los e operá-los como uma forma de economizar dinheiro e modernizar as instalações. Cerca de 4,4 mil quartos foram reformados através de um programa chamado de Privatização da Hospedagem do Exército, e o restante deve ser feito nos próximos 10 anos.

"Isso permite que o Exército se concentre em sua principal missão", disse Rhonda Hayes, uma oficial do escritório de Katherine Hammack, secretária-assistente do Exército para as instalações de energia e meio-ambiente. "O Exército está se livrando de funções secundárias. As habitações foram o primeiro passo e os hotéis eram a sequência óbvia."

No âmbito do programa, o Exército irá passar a propriedade dos hotéis a uma subsidiária da companhia australiana Lend Lease e irá manter a propriedade da terra. O grupo InterContinental Hotels opera os hotéis sob as marcas Holiday Inn Express e Candlewood Suites. Depois de um consórcio de 50 anos, os edifícios serão revertidos para o Exército. A subsidiária da Lend Lease também arrecada dinheiro para o projeto.

O dinheiro para pagar os empréstimos vem em grande parte das diárias pagas por soldados que viajam a trabalho com todas as despesas pagas.

As diárias dos hoteis são cerca de 75% do valor da ajuda de custo do governo por local. Em Fort Hood, a média dessa ajuda de custo é de US$ 77. A Lend Lease e o grupo InterContinental Hotels recebem honorários e o lucro é reinvestido nos hotéis e não é levado para fora do programa.

Apesar das reformas e do mercado um tanto quanto diferenciado, a Lend Lease não está assumindo que estes hotéis serão uma venda fácil. "Os soldados não precisam ficar em um hotel", disse Charles Smith, vice-presidente sênior da Lend Lease que lida com alojamentos. "Ainda temos que fornecer um serviço de alto padrão. Caso contrário, eles podem escolher outros locais para se hospedar."

Por Kristina Shevory

    Leia tudo sobre: euaexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG