Flórida combate placas com ligações automáticas para telefones de anúncios

Preocupadas com impacto dos avisos no turismo, prefeituras de cidades americanas fazem até 20 chamadas por dia para exigir pagamento de multa

The New York Times |

NYT
O prefeito de Hollywood, Peter Bober, segura placas retiradas da cidade (31/05)

Na Flórida, placas de serviços passaram a fazer parte da paisagem da mesma forma que as palmeiras e os hotéis à beira-mar. São placas de plástico que poluem as estradas com avisos que dizem: “Compramos casas!", "Carros usados!" e "Evite a desapropriação imobiliária!"

Leia também: EUA querem tirar do mapa cidade na Flórida que nunca existiu

Preocupados com o impacto dos avisos sobre o turismo e as belezas naturais do Estado, governos passaram anos removendo as placas manualmente.

Recentemente, autoridades das cidades de Hollywood e Oakland Park e do condado de St. Johns decidiram usar outra tática: fazer ligações automáticas aos números de telefone dos anunciantes.

"É o único crime que eu conheço em que uma pessoa deixa seu número de telefone como rastro", disse o prefeito de Hollywood, Flórida, Peter Bober.

Ele utiliza um software de computador para ligar para os números de telefone até 20 vezes por dia, até que os infratores paguem uma multa de US$ 75. "Eles querem que liguemos nestes telefones. Então nós ligamos. E continuaremos ligando."

As autoridades dizem estar preocupadas sobretudo com as placas que dizem "Casas Baratas" e "Auxílio contra falência", que poderão lembrar os turistas sobre a fraqueza da economia, especialmente na Flórida, que tem a taxa mais elevada de desapropriação imobiliária do país.

"Se estas placas estiverem em todos os lugares, a primeira coisa que alguém irá pensar é: 'Este não é um lugar que as pessoas querem visitar'", disse a prefeita de Oakland Park, Anne E. Sallee. "Ao invés das belas paisagens que as pessoas esperam ver na Flórida, elas acabam se deparando com esta imensa quantidade de placas inúteis."

Desde que as ligações automáticas começaram, em março, o número de placas em Hollywood caiu cerca de 80%, disseram autoridades municipais. Até agora, a cidade ligou para mais de 100 números de telefone, emitiu oito citações e recolheu centenas de placas.

Os anunciantes, é claro, estão incomodados. Muitos se queixam de que as táticas são excessivas e antiempresariais. Catherine Regal, uma agente imobiliária de 65, disse que comercializa casas em jornais, sites e placas presas a postes telefônicos. "As placas são muito eficazes", disse.

Em março ela começou a receber chamadas automatizadas da polícia. As primeiras foram fáceis de ignorar, mas Catherine começou a recebê-las toda hora. "É um absurdo", opinou.

NYT
Catherine Regal, agente imobiliária que se disse prejudicada pelo combate às placas em Pembroke Pipes, Flórida (01/06)

Por Robbie Brown

    Leia tudo sobre: euaflóridaplacasmercado imobiliárioturismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG