Carrinhos de comida levam sabores americanos às ruas de Paris

Chefs dos EUA inovam cultura culinária da capital francesa, onde muitos resistem a comer rápido e com as mãos

The New York Times |

O taco artesanal chegou a Paris, a capital da França. A Cantine California iniciou suas atividades em abril como o mais recente ícone de uma invasão culinária americana que inclui chefs dos melhores restaurantes, com pratos típicos como cheesecake, biscoitos e Bloody Marys, e hábitos como o de anotar os nomes dos agricultores com giz nas paredes dos restaurantes.

Na França ainda existe uma crença generalizada de que a dieta diária nos Estados Unidos é constituída por enormes porções de fast-food. Mas, em Paris, a cozinha americana está deixando de ser vista desta maneira. Jovens parisienses até elogiam a cozinha americana, que dizem ser "très Brooklyn", um termo que significa uma combinação particularmente interessante de criatividade, informalidade e qualidade.

Leia também:  Carrinhos de comida sobem ao topo de arranha-céu de NY

NYT
Jordan Feilders, criador do Cantine California, um carrinho de comida americana em Paris, posa para foto ao lado de uma de suas cozinheiras (25/05)

Todas estas três características se misturam nos carrinhos de comida americana que acabaram de abrir na cidade francesa, incluindo a Cantine Califórnia, que vende tacos recheados com carne orgânica (ainda uma raridade na França), e uma caminhonete de hambúrguer muito popular chamada Le Camion Qui Fume, cuja proprietária é Kristin Frederick, uma nativa da Califórnia que se formou em culinária em Paris.

"Recebi todo o tipo de crítica negativa", disse Kristin, 31 anos. "As pessoas diziam: 'Os franceses nunca irão comer na rua. Os franceses nunca irão comer com as mãos. Eles nunca vão pagar esse valor para comer algo que é feito dentro de uma caminhonete".

Seu hambúrguer acompanhado por uma porção de batatas fritas custa 10 euros, cerca de R$ 2.

"E além disso”, recorda, “'você nunca vai conseguir uma permissão das autoridades.'"

Mas ela conseguiu e, numa noite de domingo recente, parisienses faziam fila diante de seu carrinho.

Comida de rua em si não é nenhuma novidade para os franceses. Nos mercados ao ar livre, muitas vezes há um caminhão vendendo comidas como pizzas, crepes ou salsichas marroquinas Merguez fritas em frigideiras e colocadas em baguetes.

Mas a ideia de ter esta comida de rua feita por chefs, utilizando ingredientes de alta qualidade, além da técnica e da tecnologia usadas em restaurantes, é na verdade bastante inovadora.

Gilles Choukroun, um cozinheiro defensor da globalização da cozinha francesa, disse que cerca de cinco anos atrás alguns chefs franceses começaram a dar mais atenção à comida de rua, à medida que viam seus colegas em Nova York, Los Angeles e Londres tentando novas ideias fora dos limites da cozinha de um restaurante.

"Os franceses entendem que muitas novas técnicas de cozinha estão surgindo no seu país", afirmou. "Existem cada vez mais jovens líderes americanos criando uma cozinha verdadeiramente inovadora e interessante."


Por Julia Moskin

    Leia tudo sobre: françapariseuaculináriacomida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG