Campanha para reeleição testa força e mensagem de Obama

Presidente dos Estados Unidos se dedica cada vez mais à corrida eleitoral que influencia sua agenda e suas decisões

The New York Times

No momento em que o presidente Barack Obama subiu ao palco do Teatro Fox na Califórnia, ele estava na 18ª hora de um dia de 19 horas. Ele iniciou o discurso de campanha atacando o histórico de seu rival e defendendo o seu. "Ainda acredito em vocês", disse, "e espero que vocês ainda acreditem em mim."

Quatro anos depois de sua improvável ascensão ao poder, é isso que Obama está testando agora. Em uma maratona de viagens por todo o país, ele busca justificar a fé que seus partidários depositaram e conquistá-los novamente.

Leia também:  Quem é Mitt Romney, candidato republicano à presidência dos EUA

NYT
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, cumprimenta veterano da Segunda Guerra Mundial em Des Moines, Iowa (24/05)

À medida que visita Estados disputados, o presidente não demonstra em nenhum instante sinais de dúvida ou de preocupação, embora seu índice de aprovação nas pesquisas feitas pelo The New York Times/CBS News tenha ultrapassado 50% apenas uma vez em dois anos. Assim como Bill Clinton (1993-2001) e George W. Bush (2001-2009), Obama enfrenta a adversidade com muita determinação, na esperança de provar que os céticos o subestimaram.

A semana passada começou em Chicago, onde Obama organizou uma reunião  de líderes da Otan, que concordaram em encerrar sua missão de combate no Afeganistão no ano que vem.

Em um discurso realizado na segunda-feira, dia 21 de maio, em Joplin, Missouri, ele elogiou a união da comunidade e a ajuda que seus moradores ofereceram uns aos outros um ano após um furacão ter devastado a região. Esta mensagem do presidente foi implicitamente contra uma filosofia republicana que, segundo ele, em muitas ocasiões determina que "você não pode contar com ninguém a não ser você mesmo".

Cada semana traz novas viagens cada vez mais cansativas. Obama deixou a Casa Branca logo após as 7h na quarta-feira, dia 23 de maio, para ir até o Colorado, a primeira parada em uma viagem de dois dias.

Seus assessores disseram que ele estava um pouco atrasado em relação a Bush e Clinton nesta altura de suas campanhas, mas eles estão tentando acelerar cada vez mais a sua agenda.

Do Colorado, o presidente seguiu para a Califórnia para um evento de arrecadação de fundos na casa de Douglas Goldman, herdeiro da fortuna de Levi Strauss e um empreendedor de softwares. A maioria dos 70 convidados, incluindo executivos do Google e da AOL, pagou US$ 35,8 mil cada para participar do evento.

Após o discurso no Teatro Fox e outro evento de arrecadação de fundos, o presidente voou para Iowa no dia seguinte. Lá, ele e seu conselheiro sênior, David Plouffe, recordaram os dias em que Obama ainda lutava para conquistar seu lugar ao sol. Mas o presidente estava cansado após tantas horas de viagem.

À medida que sua comitiva continuava, ele ligou para sua mulher, Michelle, e brincou dizendo que se seguisse em direção ao Oeste outra vez, conseguira agendar ainda mais eventos. "Sim, logo chegaremos ao Japão e continuaremos em direção ao sol para que o dia nunca acabe."

Por Peter Baker

    Leia tudo sobre: eleição nos euaobamarepublicanosromneyeuademocratas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG