Nos EUA, ladrões de identidade ganham dinheiro com falso imposto de renda

Em Estados como a Flórida, criminosos roubam dados pessoais, fazem declaração antecipada e recebem restituição indevida

The New York Times |

Após ter enfrentado muitos casos de roubo de identidade, a Flórida agora se vê diante de um novo tipo de fraude feita de maneira tão simples e lucrativa que alguns criminosos violentos trocaram suas armas por laptops. E o alvo é o Tesouro dos Estados Unidos.

Com apenas registros de identidades roubadas - números da Previdência Social, datas de nascimento e nomes - os criminosos deram entrada pela internet em milhares de declarações de imposto de renda falsas e, de acordo com as autoridades, receberam centenas de milhões de dólares em restituições indevidas.

Leia também:  EUA querem criar base de dados para combater roubo de smartphones

NYT
Flora Goldberg, que teve declaração de renda falsa submetida ao governo americano, posa para foto em sua casa em Pembroke Pines, na Flórida (11/05)

Os criminosos, entre os quais estão alguns ex-traficantes de drogas, enganaram a Receita Federal requisitando a restituição antes dos contribuintes verdadeiros. Os criminosos receberam o reembolso muitas vezes através de cheques, mas a maneira mais utilizada foi através de um cartão de débito pré-pago que seria difícil de rastrear. Eles geralmente forneciam endereços de casas vazias e chegavam a alugar caixas postais fantasmas nas quais depois recolhiam as restituições.

Funcionários dos serviços postais americanos foram perseguidos, roubados e assassinados enquanto faziam suas rondas com caminhões de correio cheios de cartões de débito.

De acordo com autoridades federais e estaduais, este tipo de fraude deverá custar aos contribuintes centenas de milhões de dólares anualmente. O órgão responsável muitas vezes tem de pagar duas restituições ao invés de uma: primeiramente para o criminoso e, em seguida, para o contribuinte legítimo, que pode ter de esperar cerca de um ano enquanto a agência verifica a segunda alegação.

O inspetor-geral para a administração fiscal do Tesouro, J. Russell George, testemunhou perante o Congresso este mês dizendo que a Receita Federal detectou 940 mil declarações falsas em 2010 através das quais os ladrões de identidade receberam cerca de US$ 6,5 bilhões em restituições indevidas.
A Flórida, devido à sua grande população de idosos e centros de saúde, oferece muitas oportunidades para os criminosos. O sul do Estado, que teve o maior índice de roubo de identidade da nação, e Tampa foram as regiões mais atingidas.

O procurador dos Estados Unidos para o Sul da Flórida, Wifredo A. Ferrer, chamou os roubos de identidade e a fraude fiscal de uma "epidemia". Ele formou uma força-tarefa de 18 agências federais e estaduais para combater o problema.

"Estamos fazendo de tudo para evitar isso, mas é como um tsunami de fraude", disse Ferrer. "Onde quer que eu vá, em todo jantar, em todo evento do qual participo, alguém se aproxima de mim e me diz ter sido vítima. Até mesmo pessoas da agência, policiais e bombeiros."

Por Lizette Alvarez

    Leia tudo sobre: euaflóridaimposto de rendafraude

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG