Ex-porta-voz de premiê britânico é detido por suspeita de perjúrio

Andy Coulson teria dado depoimento falso durante julgamento de ex-parlamentar, em caso ligado ao escândalo de escutas ilegais

iG São Paulo |

O ex-porta-voz do premiê britânico David Cameron foi detido nesta quarta-feira por suspeita de perjúrio no julgamento de um ex-parlamentar escocês, em mais um caso ligado ao escândalo de escutas ilegais do extinto tabloide News of the World .

Andy Coulson, 44 anos, foi detido pela polícia da Escócia em sua casa em Londres por uma acusação relacionada a um depoimento dado por ele em um caso de ampla repercussão na Alta Corte de Glasgow, no qual o político Tommy Sheridan foi condenado por perjúrio.

Leia também:  Ex-executiva de Murdoch é acusada de obstruir investigação sobre grampos

AP
Andy Coulson, ex-porta-voz do premiê britânico, David Cameron, chega à delegacia em Glasgow, na Escócia

Em 2006, Sheridan ganhou um processo contra o News of the World, lançado após o jornal noticiar seu suposto envolvimento em um escândalo sexual. Em 2010, a Alta Corte de Glasgow determinou que ele tinha cometido perjúrio durante o processo contra o tabloide e o condenou a três anos de prisão. 

Coulson era editor do jornal quando as notícias sobre Sheridan foram publicadas e trabalhava como porta-voz de Cameron testemunho no julgamento.

Ele deixou seu posto no tabloide em 2007, depois de um repórter e um investigador serem presos acusados de grampear telefones. Durante o julgamento de Sheridan, Coulson afirmou “não aceitar a afirmação de que havia uma cultura de escutas ilegais” e pagamentos de policiais em troca de informações no News of the World e insistiu que ordenava que seus repórteres trabalhassem de acordo com a lei.

Tais afirmações foram questionadas após denúncias de que as escutas ilegais eram uma prática generalizada no tabloide, e após alegações – negadas por Coulson – de que ele aprovava e encorajava tais ações.

Cameron afirmou várias vezes que tomou a decisão certa ao oferecer uma “segunda chance” a Coulson. Mas questões sobre o julgamento do líder surgiram após a renúncia do porta-voz, sua prisão pela polícia britânica que investiga os grampos do News of the World, e a detenção desta quarta-feira pela polícia escocesa.

Sheridan, que foi libertado após passar um ano na prisão, disse esperar que sua condenação seja cassada. “O senhor Coulson e outros funcionários da News International (braço europeu da News Corp , de Rupert Murdoch, que publicava o News of the World) nos levaram a acreditar, durante o meu julgamento, que as escutas ilegais eram um problema de apenas um repórter”, afirmou. “Acho que todos nós sabemos que não havia apenas uma maçã podre. Havia um pomar inteiro de maçãs podres.”

O advogado de Sheridan, Gordon Dangerfield, afirmou que recorrerá da condenação de perjúrio recebida por seu cliente.

Coulson foi levado à Escócia para interrogatório. Como está sob custódia da polícia britânica durante a investigação do escândalo de escutas ilegais, ele deverá voltar a Londres para responder novas perguntas dos investigadores.

Com AP

    Leia tudo sobre: news of the worldreino unidogramposcoulsonmurdochcameron

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG