Democracia em Mianmar abre portas para tráfico de drogas

Em meio à reformas, aumenta fluxo de heroína e metanfetamina na fronteira com a Tailândia, um negócio operado por minorias étnicas

The New York Times |

Atualmente, quando se ouve falar de Mianmar as notícias são boas. O país está passando por reformas e um período de reconciliação, deixando para trás uma ditadura militar e acolhendo uma nova democracia. Mas à medida que isso acontece, o país também vê drogas ilícitas passarem através de sua fronteira.

Um dos maiores negócios de Mianmar – a fabricação de heroína e metanfetamina - está prosperando na região ao longo da fronteira com a Tailândia, conhecida como Triângulo Dourado, liderada por membros de grupos étnicos minoritários armados.

Leia também: Obama anuncia 'novo capítulo' nas relações dos EUA com Mianmar

NYT
Policiais procuram por drogas em posto de controle em estrada de Mianmar que leva à Tailândia (09/05)

"Estão traficando uma grande quantidade de comprimidos", disse o major-general Somsak Nilbanjerdkul, diretor de um centro de comando criado pelo governo tailandês para coordenar os esforços antidrogas. "A democracia está florescendo na Birmânia, mas as atividades ilegais estão tomando conta de áreas onde há falta de lei e ordem."

O aumento no tráfico de drogas chama atenção para os desafios enfrentados por Mianmar à medida que a presidente Thein Sein continua com sua agenda para concretizar a mudança no país. As áreas pobres, onde o governo central tem pouco controle, permanecem a maior base para a produção de drogas no Sudeste Asiático. Se for contra os cartéis de drogas, Sein, que foi comandante militar no Triângulo Dourado, corre o risco de alienar os grupos étnicos que ele está tentando atrair para seu programa de reconstrução nacional.

Vitória: Líder pró-democracia toma posse no Parlamento de Mianmar

Ninguém sabe dizer ao certo o que está causando o aumento do narcotráfico, mas as autoridades tailandesas descrevem uma parte do aumento como uma espécie de dividendo distorcido da paz. Sein tem se esforçado bastante e em muitos casos tem conseguido assinaturas de acordos de cessar-fogo com os soldados rebeldes.

"Eles não precisam mais lutar", disse Thanut Choommanoo, o chefe de uma unidade investigativa da polícia tailandesa, "e por isso têm alocado seus soldados para a produção de drogas".

Somsak tem uma outra explicação. Ele diz que existe uma desconfiança permanente entre o governo de Mianmar e os grupos étnicos e uma ideia entre os traficantes de que agora é a hora de ganhar dinheiro com atividades ilícitas, enquanto ainda é possível.

Saiba mais: Estados Unidos e China lutam por influência em Mianmar

Grande parte do norte de Mianmar é montanhosa e tem poucas estradas, tornando relativamente fácil disfarçar a atividade ilegal. Mas a grande área dedicada ao cultivo de papoulas de ópio sugere que as autoridades locais fazem vista grossa à produção de drogas.

Somsak disse que os oficiais ao longo da fronteira de Mianmar estão "absolutamente" envolvidos no tráfico de drogas. Estes oficiais muitas vezes dirigem carros que custam o equivalente a US$ 100 mil, disse ele.

"Os salários deles são menores do que os de nossos sargentos”, disse Somsak. "De onde então será que eles tiram esse dinheiro?"

Por Thomas Fuller

    Leia tudo sobre: mianmartailândiadrogastráfico de drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG