A meses da eleição presidencial dos EUA, autoridades eleitorais compilam lista de 180 mil eleitores suspeitos de não serem cidadãos americanos

As autoridades eleitorais da Flórida compilaram uma lista de 180 mil eleitores suspeitos de não serem cidadãos americanos e pediram aos supervisores eleitorais que enviassem cartas a 2,7 mil desses eleitores solicitando uma comprovação da cidadania americana.

Tema eleitoral: Nos EUA, proibição ao casamento gay pode custar caro a empresas

E fixaram um prazo de 30 dias para que os eleitores registrados possam fornecer prova de sua cidadania.

Sabu Williams trabalha como agente para registro de eleitores na Flórida
NYT
Sabu Williams trabalha como agente para registro de eleitores na Flórida
A tentativa do Estado de acabar com os eleitores ilegais veio em um momento inapropriado: a menos de sete meses da eleição presidencial . Além disso, ela mostra que o próprio Estado não consegue garantir a precisão de seus dados.

Os bancos de dados estaduais são incompletos e apenas o Departamento de Segurança Interna consegue verificar o status das cidadanias. Em setembro, o Estado solicitou à agência que compartilhasse seu banco de dados, mas isso não foi feito por causa das dificuldades “legais e operacionais”.

Banco de dados

Chris Cate, um porta-voz da Divisão de Eleições da Flórida, reconheceu que os eleitores registrados, que estão sendo lentamente filtrados para 180 mil nomes, não podem ser completamente verificadas através do acesso aos banco de dados federais e estaduais.

Por esse motivo, os eleitores nas listas do condado precisarão fornecer evidências de sua cidadania dentro do prazo de 30 dias a partir do recebimento da carta. Caso não façam isso, eles simplesmente não poderão votar, embora possam eventualmente solicitar uma verificação. Seus nomes poderão ser encaminhados para o Ministério Público para uma futura investigação.

Vários supervisores eleitorais do condado têm questionado a validade da lista de eleitores, pois algumas pessoas que receberam a carta provaram que são cidadãs americanas. A Flórida tem mais de 11 milhões de eleitores registrados.

Campanha: Romney e Obama se preparam para entrar em momento crítico da disputa

Mas a pressão para mudar a forma como as pessoas se registram para votar na Flórida é vista por alguns como um esforço para tirar votos dos eleitores democratas, muitos deles negros e hispânicos. A Flórida foi alvo de muitas críticas em eleições passadas, por tentar retirar dos cadernos eleitorais de uma maneira ilegal ex-criminosos que podem votar.

O Estado não é o primeiro a prestar mais atenção a registros suspeitos de não cidadãos em seus cadernos eleitorais. Neste ano, no Colorado, o Secretário do Estado tentou investigar se não-cidadãos haviam votado. O Novo México realizou um esforço semelhante e encontrou 104 eleitores não-cidadãos.

"O que podemos fazer é bastante limitado", disse Cate. "Estamos verificando se o nome bate com a identidade. Mas a única maneira de confirmar essa informação, no fim do dia, é realmente poder contar com essas pessoas."

*Por Lizette Alvarez

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.