Palavra cruzada gera controvérsia na Venezuela de Chávez

Em clima polarizado pré-eleições, chavistas viram respostas de jogo publicado em jornal como ameaça de morte ao irmão do presidente

The New York Times |

Entre as respostas de um jogo de palavras cruzadas publicado em um jornal venezuelano na quarta-feira do dia 2 de maio estavam as palavras 'Adan', o primeiro nome do irmão do presidente Hugo Chávez, 'Rafagas', que pode significar uma rajada de metralhadora ou uma rajada de vento, e 'Asesinen', que em espanhol é o plural da forma imperativa do verbo matar.

Instável: Chávez anuncia conclusão da radioterapia e demonstra otimismo

Tensão: Com saúde incerta, Chávez nomeia Conselho de Estado

AP
Foto de arquivo mostra presidente venezuelano, Hugo Chávez, beijando crucifixo diante de partidários em sacada do Palácio Miraflores
No mundo polarizado da política venezuelana, onde partidários e críticos do presidente atacam uns aos outros por qualquer coisa, o enigma foi interpretado por alguns não apenas como um ataque político a Chávez, mas também uma ameaça de morte a seu parente.

"Isso é uma mensagem", declarou Miguel Perez Pirela, apresentador de um programa da televisão estatal e defensor veemente de Chávez, que interpretou as respostas como um código secreto contra o irmão do presidente, que é governador do Estado de Barinas.

Pré-eleição: Chávez denuncia suposto plano de ataque contra rival na Venezuela

Em seu programa, Perez usou como exemplos as mensagens secretas enviadas pelo líder da resistência francesa Charles De Gaulle aos combatentes da resistência da Segunda Guerra Mundial, e disse que reuniu um grupo de matemáticos e outros especialistas que concordaram com sua interpretação.

Mas Neptali Segovia, autor de palavras cruzadas do jornal Ultimas Noticias, negou a conclusão sinistra e disse que o jogo não teve nenhuma motivação política.

Na sexta-feira, seu jornal informou que Segovia havia se apresentado voluntariamente ao Serviço Nacional de Inteligência na noite de quinta-feira para oferecer sua versão dos fatos. Posteriormente, uma equipe de agentes de inteligência visitou o jornal fazendo perguntas sobre Segovia. 

"Eu fui porque eu sou o primeiro interessado em resolver isso", disse Segovia. "Não tenho nada a esconder."

Eleição

Segovia, responsável pelas palavras cruzadas do jornal há mais de 17 anos, chamou as alegações contra ele de ridículas. Ele culpou "pessoas irresponsáveis que buscam gerar uma polêmica em ano eleitoral."

Na eleição que acontecerá em outubro, Chávez, no poder desde 1999, enfrentará Henrique Capriles Radonski, o candidato da oposição. Somando-se à tensão há a incerteza sobre a saúde de Chávez, que tem passado por tratamento contra um misterioso câncer em Cuba.

*Por William Neuman

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG