Ousado e direto, Joe Biden têm de se esforçar para subordinar suas opiniões às da campanha de reeleição do presidente

Ao analisar as piadas que faria em seu discurso em um recente jantar da Associação dos Correspondentes da Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, achou uma das piadas um pouco exagerada. Ela sugeria que ele talvez dispensasse os serviços de seu vice-presidente, Joe Biden.

“Há quatro anos escolhi Joe Biden para a minha chapa”, diria Obama, segundo pessoas que leram o rascunho do discurso. “Quatro anos depois, estou quase certo de que vou querê-lo de novo.” Depois, ele piscaria exageradamente para o público. Obama, porém, pediu que os responsáveis pelo discurso tirassem esse trecho, por acreditar que ele inflamaria as especulações sobre o seu vice-presidente.

Biden também parece não gostar do assunto. Essa insegurança assombra quase todos os vice-presidentes – e ele estava ciente disso antes de aceitar o cargo.

Leia também: Obama busca delicado equilíbrio na segurança nacional

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (dir), abraça seu vice, Joe Biden, durante evento em Cleveland (31/10/2010)
NYT
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (dir), abraça seu vice, Joe Biden, durante evento em Cleveland (31/10/2010)

Biden, 69, tem orgulho de falar sem rodeios - mesmo que às vezes isso possa complicar as coisas para a Casa Branca, como aconteceu no domingo (6), quando disse estar "absolutamente confortável" com o casamento homossexual, indo além das declarações feitas por Obama sobre o assunto.

À medida que ele embarca no que poderia ser sua última campanha, Biden também está finalizando um mandato que foi muitas vezes perturbado, marcado por triunfos e tensões ocasionais com um chefe notavelmente diferente em estilo e temperamento.

"Ser um vice-presidente é quase igual a ser uma primeira-dama", disse a secretária de Estado, Hillary Rodham Clinton, a respeito de Biden."Você está lá para apoiar e servir o presidente. Não existe uma descrição premeditada do que você terá que fazer."

Saiba mais: Veja o especial com tudo sobre as eleições nos EUA

O presidente reconheceu a lealdade de Biden, que foi testada ao longo de um mandato difícil e até mesmo o enviou como porta-voz em alguns de seus debates.

"Acredito que, às vezes, existe uma barreira institucional na hora de dizer a verdade na frente do presidente", disse Obama em uma entrevista concedida a 2009 ao The New York Times. "Nesse aspecto, Joe me ajuda muito."

Obama e Biden chegaram ao que pessoas próximas a ambos descreveram como uma amizade, uma das poucas que o presidente fez ao longo de seu mandato. Eles vão aos eventos esportivos da filha de Obama e da neta de Biden, que frequentam a escola Sidwell Friends juntas. Mas pessoas próximas a eles também disseram que é impossível saber o que acontece privadamente.

"Acho que ao longo dos três últimos anos o presidente chegou a apreciar a lealdade do vice e suas idiossincrasias", disse Ronald A. Klain, ex-chefe de gabinete de Biden. “Ambos tornaram-se mais conscientes de sua relação e tentaram melhorá-la.”

Klain disse que o fato de cada um ter seus próprios amigos e interesses também ajuda. "Eles não tentaram transformar essa amizade no foco principal de suas vidas políticas", disse ele.

Por Mark Leibovich

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.