Medida busca analisar como mulheres desempenham tarefas antes destinadas a homem e reflete regras do Pentágono para linha de frente feminina

O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos decidiu tomar as medidas necessárias para a integração de mulheres em unidades de combate, começando por abrir uma escola para oficiais de infantaria em Quantico, Virgínia, e colocando na reserva batalhões fechados para as mulheres.

EUA: Marinha faz recrutamento em centro homossexual

Essas medidas, anunciadas pelo general James F. Amos, comandante dos Fuzileiros Navais, em uma mensagem a todos os fuzileiros navais destinam-se a estudar como as mulheres desempenham tarefas antes destinadas apenas a homens, além de refletir novas regras do Pentágono que permitem que mulheres sirvam mais perto da linha de frente.

Fuzileiras navais revisam material antes de treinamento na Carolina do Sul
NYT
Fuzileiras navais revisam material antes de treinamento na Carolina do Sul
A nova política do Pentágono continua a proibir que mulheres sirvam como soldados de infantaria, de operações especiais e outras posições de combate direto. Mas ela criou a possibilidade de milhares de novos empregos para as mulheres, que representam cerca de 15% da força.

O Exército, que como o Corpo de Fuzileiros Navais excluiu muitas mulheres de posições de grande exigência física e proximidade da batalha, também estuda formas de integrar as mulheres em unidades de combate.

Nos próximos meses, segundo Amos, os Fuzileiros Navais planejam integrar cerca de 40 mulheres a 19 batalhões de seis tipos: artilharia, tanques, assalto anfíbio, engenharia de combate, ações de combate e defesa aérea de baixa altitude. Os batalhões de infantaria, no entanto, permanecerão fechados para as mulheres.

Amos disse que o grupo inicial será formado por mulheres mais experientes no Corpo de Fuzileiros Navais: sargentos de artilharia, sargentos e oficiais de equipe, tenentes ou capitãs condecoradas. Médicas, paramédicas e enfermeiras de campo também poderiam ser indicadas para esses batalhões.

As mulheres servirão em especialidades nas quais já possuem formação - fornecimento de logística, comunicações, ou transporte a motor, mas não na coleta de informações de inteligência - e receberão tarefas assim que elas surgirem. Os trabalhos serão no nível de batalhão, um passo mais perto da linha de frente do que o permitido anteriormente, embora ainda não na linha de frente.

"Eu tentei abordar isso exatamente do jeito que o secretário quer que eu o faça: de maneira responsável e honesta", disse Amos na entrevista, referindo-se ao secretário de Defesa Leon E. Panetta. "Isso tem de ser medido, no comando."

Baixas

Embora as mulheres estejam proibidas tecnicamente de assumir papéis de combate, elas lutaram e morreram ao lado dos homens no Iraque e no Afeganistão, onde as forças americanas sofreram ataques de praticamente qualquer lugar. Mais de 140 mulheres morreram em ambos os conflitos.

O Corpo de Fuzileiros Navais é o setor das Forças Armadas mais dominado por homens, sendo que as cerca de 13,8 mil mulheres compõem apenas 7% da força total de 197.800 soldados. Alguns críticos dizem que a cultura de infantaria - percebida no lema "Cada fuzileiro é um atirador" - torna os Fuzileiros Navais mais resistentes às mulheres.

Greg Jacob, ex-oficial de infantaria dos Fuzileiros Navais que é diretor de políticas para o grupo de defesa Rede de Ação das Mulheres, disse estar preocupado que o corpo possa tentar usar os dados dos testes físicos para provar que as mulheres não são fortes o suficiente para a linha de frente.

Mas ele também elogiou algumas das novas medidas, dizendo que colocar mais mulheres na linha de frente ajudaria a avançar suas carreiras.

"Isso coloca as mulheres em uma posição que elas provavelmente entrarão em combate, o que no futuro será usado para determinar promoções", avaliou.

*Por James Dao

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.