Número de mortos em enchentes na Tailândia passa de 600

Inundações atingem a região sul do país depois de terem causado estragos no centro e no norte nos últimos quatro meses

iG São Paulo |

As autoridades da Tailândia elevaram nesta sexta-feira para 615 o número de mortos pelas graves inundações que agora também atingem o sul do país, depois de terem causado grandes estragos no centro e no norte do território nacional nos últimos quatro meses.

Leia também: Tailândia enfrenta irritação popular por cheias na periferia de Bangcoc

AP
Mulher tailandesa sai de sua casa pela janela em um bairro inundado nos arredores de Bangcoc, na Tailândia

Foram declaradas zonas de desastres em regiões da província de Songkhla um dia depois da forte correnteza de água ter levado uma criança de três anos no início da semana. Seu corpo foi encontrado na quinta-feira.

As fortes chuvas levaram o governador de Songkhla, Winyu Thongsakul, a pedir aos residentes de 16 distritos que se preparassem para inundações. Até o momento, mais de 360 moradores da área foram forçados a sair de suas casas devido ao nível da água, que chega a alcançar de dois a quatro metros.

No começo da semana, o governo divulgou um comunicado em seu site oficial informando que 17 províncias estavam sofrendo com graves inundações. Segundo o Departamento de Prevenção e Mitigação de Desastres, mais de 5 milhões de residentes foram afetados.

O governo teve que investir muito esforço - e muito dinheiro - para conter os estragos provocados pelas chuvas da estação. Na quinta-feira, o Comitê de Recuperação das Inundações e Restauração pediu aproximadamente USS$ 415 milhões para vários projetos no intuito de ajudar os moradores das áreas mais devastadas.

Essa quantidade representa apenas uma fração do prejuízo causado pelas inundações. De acordo com a CNN, Atchaka Sibunruang, secretário-geral do centro de investimentos do país, estima que 2.919 empresas de sua entidade - que valem aproximadamente 620,8 bilhões de baht (US$ 19,76 bilhões) - foram danificadas.

O vice-presidente da federação tailandesa de indústrias, Tanit Sorat, afirmou que 660 mil trabalhadores de aproximadamente 10 mil fábricas foram afetados pelas enchentes.

Enquanto isso, as tensões permanecem latentes, enquanto moradores protestam contra o governo, e o culpam por falta de ação em relação aos esforços para controlar as enchentes.

Na quarta-feira, alguns residentes de Pathum Thani bloquearam um pedágio e apedrejaram carros para expressar seu descontentamento, segundo afirmou a premiê Yingluck Shinawatra.

Os moradores de vários distritos de Bangcoc romperam barreiras de sacos de areia para liberar a água que alaga suas casas e estabelecimentos comerciais há mais de um mês.

Diante do aumento do descontentamento popular, as autoridades pedem paciência aos moradores para conseguir drenar a água que atinge do norte do país até o Golfo da Tailândia.

A líder tailandesa estabeleceu prazos para os governadores e os oficiais federais trabalharem juntos para definir prioridades e tentar achar soluções para a crise.

As inundações deste ano, consideradas as piores em 50 anos na Tailândia, começaram em julho devido às fortes chuvas de monção e à grande quantidade de água acumulada nos pântanos.

Elas alagaram sete parques industriais, suspenderam as aulas após afetar várias universidades e escolas e forçaram centenas de milhares de pessoas a viverem em abrigos.

Com EFE

    Leia tudo sobre: tailândiaenchentebangcocexércitomilitarinundaçãochuvacheia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG