Ketsana sobe para 246 nas Filipinas - Mundo - iG" /

Número de mortos depois da passagem de Ketsana sobe para 246 nas Filipinas

MANILA - As autoridades das Filipinas aumentaram nesta terça-feira para 246 o número de mortos em decorrência da passagem da tempestade tropical Ketsana, enquanto a ilha Luzon prepara-se para receber um novo temporal amanhã, em meio a críticas ao governo por sua lenta atuação com relação à tragédia.

Redação com agências internacionais |

O Centro Nacional de Coordenação de Desastres do país incluiu mais de 100 mortos à lista oficial, após identificar cadáveres encontrados na capital, onde as equipes de resgate seguem localizando corpos sem vida debaixo da lama.


Filipinos sofrem com as enchentes após passagem de tempestade / AP

Outras 38 pessoas continuam desaparecidas e 1,9 milhão de habitantes de Manila e de outras 25 províncias da ilha de Luzon foram afetados pelas enchentes e deslizamentos de terra.

Nas últimas horas, 80 mil desabrigados puderam voltar a suas casas, mas quase 375 mil deslocados que perderam seus lares continuam nos centros amparo que foram disponibilizados, um deles no palácio presidencial de Malacanang, em Manila.

As perdas econômicas já chegam a US$ 98,5 milhões e três quartos dessa quantia correspondem a danos em infraestrutura e o resto ao setor agrícola. A União Europeia (UE) anunciou hoje uma ajuda de 2 milhões de euros para as "necessidades humanitárias mais urgentes" dos desabrigados.

Em todas as áreas onde foi decretado estado de catástrofe, no sábado, as aulas foram suspensas e as escolas foram transformadas em albergues improvisados para acolher os desabrigados.

Nova tempestade

Enquanto isso, na ilha de Luzon, as autoridades se preparam para responder aos eventuais danos que podem ser causados pelo novo temporal que se aproxima, proveniente do Oceano Pacífico.

O Serviço de Meteorologia advertiu que um sistema de baixa pressão já se transformou em tempestade e pode chega a terra sob forma de tufão, embora não tenham descartado que ele possa ser desviar para Taiwan, antes de alcançar o norte do arquipélago filipino.

Críticas ao governo

Um amplo setor político e da cidadania qualifica de lenta e inadequada a resposta do governo ao desastre, e elogia os grupos de voluntários e os cidadãos que, por iniciativa própria, distribuem água potável, comida, roupa e remédios, com maior êxito que as autoridades e os militares.

A presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, que abriu as portas do país à ajuda internacional, agradeceu o envio a Luzon de soldados americanos que atuavam no sul do país, para participar das tarefas de assistência aos desabrigados.

Gloria se defendeu das críticas com o argumento de que a tempestade foi "um fato extremo que ocorre uma vez na vida (...) e que ultrapassou nossos recursos", e anunciou que ela e os membros de seu gabinete doarão o salário de seus próximos dois meses às vítimas da tempestade.

"Ketsana", que recebeu o nome local de "Ondoy", chegou ao arquipélago das Filipinas na madrugada do sábado, com ventos com uma força superior a 100 km/h e, na segunda-feira, abandonou o país rumo ao sul da China, atingindo o centro do Vietnã hoje, causando 23 mortes até o momento.

Mortes no Vietnã

Pelo menos 23 pessoas morreram no Vietnã na passagem do tufão Ketsana pela costa leste do país nesta terça-feira, depois de ter devastado as Filipinas.

"Segundo a contagem oficial até a tarde de terça-feira, com base nas informações das autoridades locais, o tufão matou 23 pessoas", afirma o Comitê Nacional de Controle de Tempestades e Inundações.

* Com EFE e AFP

Leia mais sobre tempestade tropical

    Leia tudo sobre: filipinas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG