Número de favelas no mundo pode triplicar, alerta ONU

NAIRÓBI - A crise econômica global está colocando em risco os esforços para ajudar o número crescente de moradores de favelas em todo o mundo, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na segunda-feira.

Reuters |

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (UN-Habitat), que organiza um evento importante esta semana na capital do Quênia, disse que o número de moradores de favelas no mundo pode triplicar para 3 bilhões até 2050, se nada for feito.

Delegados de dezenas de países, organizações não-governamentais e grupos da sociedade civil estão reunidos em Nairóbi para discutir como alocar recursos para o problema nos próximos dois anos diante da pior crise financeira desde a Grande Depressão.

"A persistência da pobreza humana é em grande parte resultado de economias e finanças urbanas enfraquecidas", disse Ban em um discurso lido em seu nome no encontro.

"A atual crise financeira global e a restrição de crédito apenas exacerbam essa situação. Há o risco de que nossos esforços para lidar com a crise de habitação sofram um retrocesso."

As favelas são mais comuns na África subsaariana, onde 62% da população urbana mora de forma inadequada. Depois vêm o sul da Ásia, com 43%, e a Ásia Oriental, com 37%, disse Moon.

A diretora do UN-Habitat, Anna Tibaijuka, disse que a crise do sub-prime norte-americana foi um "divisor de águas", colocando a moradia acessível na agenda como uma questão econômica, e não social.

Ela disse que parcerias público-privadas são essenciais para fornecer soluções de habitação às populações mais pobres do mundo e que também poderiam ajudar a estimular a economia.

"Os economistas estão enfatizando a importância econômica da habitação e da infraestrutura urbana como parte do setor produtivo que gera emprego", disse ela a jornalistas.


Leia mais sobre favelas

    Leia tudo sobre: favelas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG