Nu de obesa pode se tornar quadro mais caro de artista vivo

A modelo retratada no quadro do artista britânico Lucian Freud - que deve arrematar mais de R$ 56 milhões no mês que vem, tornando-se a mais cara obra de um artista vivo - ganhou 20 libras, cerca de R$ 66, por dia para posar nua. No entanto, em entrevista à BBC, a londrina Sue Tilley, que na época trabalhava como fiscal de benefícios pagos pelo governo, disse que não era o dinheiro que a motivava, mas sim os adoráveis almoços e a convivência com o artista.

BBC Brasil |

O trabalho executado em 1995, Supervisora de Benefícios Dormindo, pode se transformar na obra mais cara já vendida por um artista em vida quando for a leilão na Christie's de Nova York no mês que vem.

Tilley, que trabalha hoje como gerente de um centro de empregos do governo, brincou sobre o fato de ter se tornado uma espécie de celebridade.

"Mal posso acreditar, para ser sincera. Descobri apenas na quinta-feira à tarde. Estou um pouco em estado de choque", disse a gerente, conhecida como "Big Sue".

'Fazendo história'

Neste sábado, o retrato dela pintado por Freud foi estampado na capa do sisudo diário britânico Financial Times .

Bem-humorada, Tilley brinca: "Será que sou a primeira modelo nua na história do FT ?" Ela afirma que na maior parte do tempo, "nem pensa que é ela" no retrato, mas admitiu que neste sábado, ao olhar para a obra pensou: "Essa é mesmo a minha carinha."

Freud levou nove meses para completar a pintura, período em que a modelo teve acesso à intimidade do artista.

"Foi simplesmente fantástico. Sabe, tantas pessoas adorariam ter essa experiência, trabalhar com um artista tão importante, bater papo com ele, descobrir coisas sobre ele e ver o que ele faz", afirma Tilley.

Ela disse ainda que, nessa época, o artista trabalhava em três ou quatro quadros ao mesmo tempo, com outras modelos.

Leia mais sobre: Lucian Freud

    Leia tudo sobre: bbc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG