Mogadíscio, 24 fev (EFE).- Pelo menos treze pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas em confrontos nas ruas de Mogadíscio, capital da Somália, entre milícias fundamentalistas islâmicas e as forças leais ao Governo de transição.

Os combates começaram no início da manhã, quando os rebeldes atacaram simultaneamente as bases da Missão da União Africana na Somália (Amisom, em inglês) e as posições das tropas leais ao xeque Sharif Sheikh Ahmed, presidente do país e líder islâmico moderado.

Além dos tiroteios, houve fortes bombardeios de artilharia e morteiros em diversas áreas de Mogadíscio.

Testemunhas disseram que estes foram os combates mais violentos na capital desde que Sheikh Ahmed foi eleito presidente em 31 de janeiro, no país vizinho Djibuti.

O governante estava na residência presidencial no momento dos ataques. O local foi alvo de três morteiros, mas não foram reportadas vítimas ou danos materiais.

A nova ofensiva contra o governo de transição ocorre depois do ataque de dois terroristas suicidas, domingo passado, a uma base da Amisom, que teve como saldo a morte de 11 soldados burundineses. EFE ia/dp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.