Novos bombardeios israelenses matam 7 palestinos e destroem uma universidade

Gaza, 29 dez (EFE).- A Força Aérea israelense continuou esta madrugada seu bombardeio em massa da Faixa de Gaza com ataques que mataram sete pessoas, quase todos menores ou mulheres, e destruíram a Universidade Islâmica, próxima ao Hamas, segundo fontes médicas e testemunhas.

EFE |

Um homem, duas mulheres e um bebê de um ano de idade morreram em um ataque a um prédio do campo de refugiados de Jabalya, no norte da faixa, disseram fontes médicas palestinas.

Além disso, dois adolescentes e uma criança da mesma família perderam a vida quando a aviação militar israelense lançou sua carga explosiva na cidade de Rafah, no sul de Gaza, acrescentaram as fontes.

Os últimos bombardeios elevam para mais de 300 mortos e mil feridos a apuração provisória de 48 horas de ataques aéreos israelenses contra centros vinculados ao Hamas, segundo fontes médicas.

O escritório do chefe de Governo do movimento islamita em Gaza, Ismail Haniyeh, também foi bombardeada esta madrugada, informou o Exército israelense em comunicado que dá conta nas últimas 12 horas de ataques contra "dúzias de alvos vinculados ao Hamas, como centros de armazenamento e manufaturamento de armas, túneis, lugares de lançamento de foguetes e armazéns".

Haniyeh não se encontrava no escritório, pois todos os líderes do Hamas passaram para a clandestinidade desde que começou a onda de ataques.

Pouco após a meia-noite, os F-16 bombardearam a Universidade Islâmica, situada ao oeste da Cidade de Gaza e próxima ao Hamas, ao contrário da próxima Universidade Al Azhar, ligada ao Fatah.

Os residentes no bairro de Remal ouviram quatro grandes explosões que causaram pânico na região e viram grandes colunas de fumaça brancas e negras sair do edifício.

Vários prédios do campus feminino com laboratórios químicos ficaram destruídos, enquanto imóveis próximos ficaram seriamente danificados, disseram as fontes.

O Exército israelense defende que se tratava de um "centro de desenvolvimento e pesquisa de armas usado como laboratório para desenvolver e manufaturar explosivos e parte inseparável da infra-estrutura de manufaturamento de foguetes Qassam".

As milícias palestinas, por sua parte, continuaram lançando foguetes contra o sul de Israel, um dos quais matou um israelense e feriu outros sete na cidade de Ashkelon, informa a rádio pública do país.

Além disso, um ataque palestino feriu quatro israelenses - um deles gravemente - ao apunhalá-los no assentamento de Kiryat Sefer, em território cisjordaniano, informou a Polícia.

O agressor ficou gravemente ferido à bala no primeiro aparente ato de vingança fora de Gaza à operação israelense na faixa.

Dois israelenses morreram até o momento desde o começo da ofensiva. EFE sar-ap/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG