Washington, 17 nov (EFE) - O titular do Departamento de Segurança Nacional que nomeie o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá responder, entre seus múltiplos desafios, à proposta de grupos hispânicos de suspender as operações contra os imigrantes ilegais nos centros de trabalho. Não estamos fazendo comentários sobre a designação de diretores de agências nem sobre as especulações em torno das nomeações. Os anúncios serão feitos na hora certa, disse hoje à Agência Efe um porta-voz da equipe de transição de Obama, referindo-se a recentes declarações do presidente eleito.

Apesar da extrema cautela da equipe de transição, crescem as especulações sobre quem poderia substituir Michael Chertoff como titular do Departamento de Segurança Nacional (DHS).

Segundo o jornal "The Washington Post", entre os onze nomes cogitados para o cargo estão a governadora do Arizona, a democrata Janet Napolitano; o comissário da Polícia da cidade de Nova York, Raymond W. Kelly; a legisladora democrata pela Califórnia, Jane Harman, e o chefe de Polícia de Los Angeles, William J. Bratton.

O DHS, criado há cinco anos em resposta aos atentados de 11 de setembro de 2001, tem entre suas múltiplas obrigações a segurança fronteiriça, a resposta a desastres naturais e a proteção do país contra novos ataques terroristas.

O próximo líder do departamento herdará uma burocracia de 200 mil trabalhadores e, com um orçamento anual de US$ 40 bilhões, terá que continuar o delicado trabalho de dirigir a maior fusão de dezenas de agências federais encarregadas da segurança nacional desde a Segunda Guerra Mundial.

Além de zelar pela segurança da infra-estrutura, do ciberespaço e dos portos de entrada aos EUA, o DHS terá entre as tarefas imediatas avaliar as medidas de segurança fronteiriça e o cumprimento das leis migratórias no interior do país. EFE mp/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.