Novo comandante promete proteger civis na guerra do Afeganistão

Em declarações perante a Otan em Bruxelas, Petraeus reafirma objetivo de evitar ao máximo morte de civis no conflito

iG São Paulo |

O novo comandante dos soldados dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, o general americano David Petraeus, declarou nesta quinta-feira seu objetivo de "reduzir a perda de vidas civis inocentes em operações militares ao mínimo possível". A declaração teve o objetivo de desmentir rumores de que haveria uma mudança de doutrina para permitir aos soldados abrir fogo em qualquer circunstância para defender-se em caso de ataque.

AP
Nova comandante dos EUA e da Otan no Afeganistão, general americano David Petraeus, responde perguntas na sede da Otan em Bruxelas, Bélgica
"O terreno humano é decisivo e por isso é preciso fazer todo o possível para proteger a população e reduzir a perda de vidas civis", disse Petraeus em Bruxelas junto ao secretário-geral da Aliança Atlântica, Anders Fogh Rasmussen. 

O general americano, no entanto, assegurou que não pretende revisar as regras de enfrentamento com as quais operam as tropas no Afeganistão.

"Trata-se mais de verificar se as regras de confronto existentes, que são sólidas, e as diretrizes táticas que estabelecem as normas para o apoio a nossos soldados quando estão situações difíceis estão sendo aplicadas corretamente", explicou o general, um dia depois de ter sido confirmado pelo Sen ado dos EUA para o cargo .

Segundo Petraeus, o objetivo é reduzir a perda de vidas inocentes no curso das operações militares e, ao mesmo tempo, assegurar que as tropas dos EUA e de seus parceiros sejam apoiadas "por todos os meios de comunicação quando estiverem em uma situação difícil". 

O novo comandante também assegurou que continuará o trabalho de seu antecessor, o general Stanley McChrystal, cuja estratégia "funcionou".

Segundo Petraeus, nas últimas 12 semanas a perda de vidas civis registrou "uma redução clara" em relação ao ano passado, apesar do aumento do contingente militar aliado e da expansão de suas operações.

Petraeus garantiu o compromisso dos EUA com o Afeganistão e lembrou que no fim de agosto haverá cerca de 100 mil militares americanos no país asiático, "mais do triplo dos que havia no início de 2009".

Com relação ao número crescente de baixas entre os aliados, Petraeus disse que elas correspondem ao trabalho dos EUA nos últimos meses e seus sócios para "reverter" a situação do começo do ano, quando "os (a milícia islâmica) Taleban tinha a iniciativa".

Ele lembrou que, no Iraque, os ataques também aumentaram conforme os soldados internacionais foram avançando em sua campanha.

Petraeus assegurou que seu objetivo é continuar com os "avanços" militares registrados "em muitas áreas" do Afeganistão, aproveitando as forças adicionais americanas e afegãs.

Para o general, o sucesso neste ano seria "conseguir progresso" na situação da "segurança distrito por distrito", avançar na preparação das forças de segurança afegãs e nas zonas mais pacíficas progredir na "governança" por parte dos próprios afegãos.

Petraeus se reuniu nesta quinta-feira em Bruxelas com os representantes dos países da Otan, que expressaram seu "total apoio" ao novo comandante, como explicou posteriormente o secretário-geral da aliança. "O senhor é o homem adequado para continuar nossa missão", disse Rasmussen a Petraus.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: AfeganistãoEUABarack ObamaDavid Petraeus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG