O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira que a negociação internacional por uma nova rodada de sanções contra o Irã está progredindo rapidamente e deve ser concluída nas próximas semanas.

A declaração de Obama acontece horas após Teerã ter anunciado que iniciou oficialmente o processo de enriquecimento de urânio a um nível mais alto .

Em entrevista coletiva improvisada, Obama disse que apesar das negativas de Teerã, está claro para ele que o Irã está em busca de um "armamento nuclear".

Obama acrescentou que a comunidade internacional está olhando uma "variedade de formas" de se aplicar pressão sobre o governo do Irã, que, segundo Obama, não fala com uma única voz e dá "sinais confusos".

O líder norte-americano também se referiu em suas declarações na Casa Branca ao jogo de xadrez diplomático para o endurecimento do regime de sanções contra a República Islâmica, elogiando a Rússia por sua resposta.


Obama deu entrevista nesta terça-feira na Casa Branca / AP sua resposta.

Fontes diplomáticas dos Estados Unidos afirmaram que os primeiros passos para a redação de uma nova resolução no Conselho de Segurança da ONU já foram tomadas , apesar de ainda não haver consenso entre os 15 membros do órgão sobre aumentar a pressão sobre o Irã.

China é contra sanções

A China, que tem direito a veto no Conselho de Segurança, mostrou-se reticente e favorável ao prosseguimento do diálogo. O Ministério das Relações Exteriores da China pediu a continuidade das negociações, apesar dos pedidos de alguns países por novas sanções.

"Esperamos que as partes envolvidas dividam os pontos de vista sobre o projeto de acordo relativo ao reator de pesquisas iraniano e cheguem a um consenso o mais rápido possível, que permitirá resolver a questão", declarou o porta-voz do ministério, Ma Zhaoxu.

Pequim considera que se deve dar mais tempo às negociações antes de passar para as punições, enquanto os outros membros permanentes do Conselho de Segurança - Estados Unidos, Rússia, Reino Unido e França - e a Alemanha duvidam que o Irã esteja interessado em um diálogo sincero.

As fontes diplomáticas americanas reconheceram diferenças de "tempo e tática" com o governo chinês, mas ressaltaram que Pequim se comprometeu a respaldar a estratégia adotada pelo grupo dos seis - os membros do Conselho de Segurança mais a Alemanha - de alternar o diálogo com a pressão.

Nesse contexto, lembraram que Teerã desprezou no final do ano passado a proposta de enviar seu urânio a 3,5% ao exterior e recuperá-lo depois enriquecido a 20%, nas condições necessárias para manter seu reator nuclear civil em operação.

Por isso, o anúncio de Ahmadinejad "só pode ser interpretado como provocador e inconsistente com os fins que o Irã supostamente segue", acrescentaram as fontes.

Veja o processo completo para o enriquecimento de urânio:

Leia mais sobre Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.