Novas ameaças pairam sobre os recifes de corais

Os recifes de corais, que abrigam um terço das espécies marinhas e protegem as costas dos maremotos, estão ameaçados pelo aumento da acidez dos oceanos e pelas atividades humanas, alertaram os cientistas reunidos esta semana no XI Congresso de Ciências do Pacífico.

AFP |

O aumento da acidez é uma consequência das crescentes emissões de CO2 na atmosfera, parte da qual se recicla nos oceanos. Assim, na água do mar, o ph - potencial de hidrogênio, uma medida para calcular a acidez - passou de 8,2 antes da revolução industrial para 8,1 atualmente e pode cair a 7,9 ou 7,8 no fim do século.

"O problema é particularmente preocupante para os corais, já que estes organismos com esqueleto calcário terão dificuldades de calcificação", declarou Bernard Salvat, especialista em recifes de corais presente no congresso organizado na capital da Polinésia Francesa.

O aumento de dois ou três graus centígrados da temperatura del agua, como acontece com fenômenos climáticos como o "El Niño" que afetou o Oceano Pacífico, embranquece o coral por uma ruptura da associação com as algas unicelulares que vivem em simbiose.

"A incidência e a gravidade dos fenômenos de embranquecimento não pararam de aumentar nos últimos 20 anos", advertiu Marina Duarte, do Centro Nacional de Oceanos do Havaí.

No total, 40% dos recifes de corais, sobretudo no Oceano Índico e no Caribe, já estão, mais ou menos, deteriodados, e 10% foram pedidos. Os 50% restantes estão em risco de extinção a curto ou longo prazo por culpa do aquecimento global.

Antes da Segunda Guerra Mundial, os corais eram destruídos por ciclones, mas não em consequência das atividades humanas.

boc/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG