Tremor causou uma morte e deixou dezenas de feridos

O Governo da Nova Zelândia ampliou nesta segunda-feira (horário local) o estado de emergência no sul do país até a quarta-feira, após o terremoto de 7 graus na escala aberta de Richter, que causou uma morte, dezenas de feridos e grandes danos materiais na madrugada do sábado.

Mais de 500 prédios comerciais foram destruídos e pelo menos 20% das casas ficaram inabitáveis por causa do forte terremoto que sacudiu o sul do país e sobretudo Christchurch, a segunda maior cidade do país, habitada por cerca de 380 mil pessoas e situada no litoral oriental da ilha do sul.

As réplicas do terremoto e um temporal estão dificultando as tarefas de reconstrução em Christchurch, onde o Governo impôs o toque de recolher nas noites do sábado e deste domingo para evitar o saque das lojas.

Dezenas de soldados substituíram a Polícia nas tarefas de vigilância no centro da cidade, fechado ao público devido ao perigo de novos desabamentos.

O primeiro-ministro, John Key, disse que passará um tempo até que possa se determinar a magnitude dos danos causados pelo tremor, mas algumas financeiras esperam reivindicações de seguros no valor de 5 milhões de dólares neozelandeses (cerca de US$ 3,6 milhões).

A maior parte do transporte público de Christchurch continua suspensa, as escolas permanecem fechadas e as autoridades pediram aos cidadãos para não irem ao trabalho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.