Nova York ordena retirada e suspende transporte por furacão Irene

Quase 300 mil terão de deixar áreas sujeitas à enchente até 18h de sábado; 5 aeroportos de NY serão fechados e TAM cancela voos

iG São Paulo |

Em uma decisão sem precedentes, quase 300 mil pessoas que vivem em áreas sujeitas à inundação na cidade de Nova York foram ordenadas a se retirar nesta sexta-feira, enquanto o furacão Irene se dirige para a maior cidade do país. Por causa da tormenta, a cidade também suspenderá o funcionamento do transporte público a partir do meio-dia (13h em Brasília).

Além disso, cinco aeroportos locais fecharão para os voos de chegada - domésticos e internacionais - a partir do mesmo horário. Os aeroportos afetados são o John F. Kennedy International, Newark Liberty International, LaGuardia, Stewart International and Teterboro. A Autoridade Portuária afirmou que adotava a ação para evitar deixar passageiros presos nos aeroportos enquanto os sistemas de transporte público não estarão funcionando por causa da ameaça do furacão.

Com a aproximação do furacão na costa leste, um alerta foi estendido ao norte para incluir a cidade de Nova York, Massachusetts, a área costeira de Connecticut e Martha's Vineyard, onde o presidente Barack Obama passou suas férias nesta semana. Além dessa área, o alerta inclui o sul até a Carolina do Norte, onde o Irene, que deve chegar entre 8h e 9h de Brasília, já causa chuva e ventos fortes. A expectativa é de que a tormenta afete 65 milhões de pessoas. Essa é a primeira vez desde 1985 que um alerta desse tipo é emitido para a cidade de Nova York. Na noite desta sexta-feira, Obama declarou estado de emergência federal para a cidade.

A declaração autoriza o Departamento de Segurança Nacional e a Agência Federal de Gestão de Desastres (Fema) a coordenar a resposta ao furacão e tentar atenuar as consequências do ciclone nos condados do Bronx, Kings, Nova York, Queens, Richmond, Nassau e Suffolk.

Os nova-iorquinos, muitos dos quais não têm carros, não têm muito tempo para sair antes de a cidade fechar seus metrôs, ônibus e trens no sábado. Além de Nova York, os sistemas de transporte público também serão fechados em New Jersey e no subúrbio da Filadélfia e centenas de milhares de passageiros não conseguirão embarcar neste fim de semana por causa da tormenta, que atingirá a costa leste americana passando por alguns de seus aeroportos mais movimentados. A TAM, por exemplo, anunciou o cancelamento de voos para Nova York .

O prefeito Michael Bloomberg ordenou a retirada até 17 horas de sábado (18h em Brasília) nas áreas localizadas abaixo do nível do mar, em que vivem cerca de 300 mil. As áreas incluem o complexo de Battery Park City na ponta sul de Manhattan; Coney Island, famosa por seu calçadão e parque de entretenimento; a comunidade praieira de Rockaways e outros bairros perto da cidade. (Veja mapa abaixo)

"Nunca antes tínhamos decretado a retirada obrigatória e não estaríamos fazendo isso agora se não achássemos que essa tempestade tem o potencial de ser muito séria", disse o prefeito, pedindo aos cidadãos que não se deixassem "enganar pelo sol desta sexta-feira". Além das retiradas, as autoridades nova-iorquinas já começaram a esvaziar todos os hospitais, clínicas e asilos situados abaixo do nível do mar, que são um total de 22.

Enquanto isso, metrôs, ônibus e trens na cidade, em Long Island e nos subúrbios do norte começarão seus últimos percursos perto do meio-dia, disse o governador Andrew Cuomo. De acordo com funcionários da Autoridade de Transporte Metropolino, não é possível manter o funcionamento do sistema de transporte com ventos que alcancem os 62 km/h, precisando de oito horas de antecedência para fechá-lo.

O fechamento de transporte em Nova York incluirá as ferrovias de Long Island, Metro-North e Access-A-Ride. Posteriormente, a Autoridade Metropolitana do Transporte (MTA, na sigla em inglês) confirmou que aumentará o serviço no sábado de manhã. O último fechamento completo do sistema ocorreu durante uma greve em 2005.

Os trens do Trânsito de New Jersey vão parar ao meio-dia de sábado, anunciou o governador Chris Christie nesta sexta-feira. Na Filadélfia, o prefeito Michael Nutter disse que o trânsito em massa no subúrbio da Filadélfia será suspenso às 12h30 de domingo.

Furacões são raros em Nova York, que foi atingida por poucos realmente significativos nos últimos 200 anos. Em 1821, um furacão causou inundação no sul de Manhattan, a área que hoje inclui o centro financeiro da cidade e o Marco Zero, local onde ficavam as torres do World Trade Center, alvo de ataque no 11 de Setembro de 2001 .

A expectativa é de que, depois de chegar ao continente na Carolina do Norte no sábado, o Irene dirija-se à costa de Nova York no domingo e então vá perdendo força até chegar à Nova Inglaterra. Ele pode afetar o funcionamente de grandes aeroportos de Washington a Boston.

Cancelamento de voos

A companhia JetBlue anunciou nesta sexta-feira que está cancelando 880 voos entre sábado e segunda, a maioria deles de aeroportos em Nova York e Boston. A American Airlines cancelou 32 voos nesta sexta-feira, em sua maioria na Carolina do Norte e Virgínia, e espera-se que suspenda outros para dentro e fora dos aeroportos na área de Washington — cerca de 150 voos por dia — cerca do meio-dia de sábado. A Southwest Airlines planeja cancelar os voos para e de Norfolk, Virgínia, a partir da manhã de sábado.

Os cancelamentos da JetBlue são provavelmente a ponta do iceberg, segundo a Associated Press.  Outras companhias disseram nesta sexta-feira que esperavam para ter mais certeza da rota do Irene antes de anunciar mais suspensões.

Com a expectativa de passagem da tempestade, podendo afetar locais como Washington, Baltimore, Filadélfia, Nova York e Boston, Obama fez um apelo para que a população siga os procedimentos de segurança .

AP
Mulher passa por prateleiras vazias de supermercado em Long Island, no Estado de Nova York, onde moradores estocam suprimentos por causa de furacão

"Se você está na rota projetada para o furacão, precisa tomar precauções agora. Não espere, não adie", afirmou o presidente, que encurtou as férias em Martha's Vineyard em um dia por causa do furacão. "Todos torcemos pelo melhor, mas é preciso se preparar para o pior. Temos de levar essa tempestade a sério."

De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (CNF), chuvas provocadas pelo furacão já atingem a parte sudeste da Carolina do Norte, área para a qual foi emitida uma ordem de retirada. O mesmo aconteceu para regiões de Delaware, Maryland e Nova Jersey. Em toda a costa leste, moradores estocam alimentos e água, enquanto portos, refinarias de petróleo e usinas nucleares ativam planos de emergência.

A expectativa é que o Irene se torne o furacão mais forte a atingir os EUA em sete anos. Nesta sexta-feira, ele perdeu força e voltou à categoria 2, com ventos de 175 km/h. Mas ele deve ganhar força e chegar no fim de semana e alcançar a categoria 3 durante a passagem pelos EUA.

Mapa mostra áreas que podem ser mais afetadas por furacão:

*Com AP, Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: irenefuracãoeuahaiticaribenova york

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG