Nova York faz festa para piloto que pousou avião em rio

Por Daniel Trotta NOVA YORK (Reuters) - Nova York festejou seu mais recente herói, o piloto que pousou um avião da US Airways no Rio Hudson, salvando todas as 155 pessoas a bordo no que os especialistas classificaram como um trabalho magistral sob uma pressão de vida ou morte.

Reuters |

Chesley "Sully" Sullenberger ainda não havia aparecido em público na manhã de sexta-feira, um dia depois de fazer um pouso de emergência com o Airbus A320 no rio que separa a cidade de Nova York de Nova Jersey. O governador de Nova York, David Paterson, chamou o feito de "um milagre no Hudson".

Autoridades do município disseram que ele não estaria disponível antes de concluir o seu depoimento ao Conselho Nacional de Segurança do Transporte, que investiga o acidente. A Administração Federal de Aviação disse que investigava informações de que o avião havia atingido um bando de pássaros logo depois de decolar do aeroporto de La Guardia, em Nova York.

Sullenberger, de 57 anos, ex-piloto da Força Aérea dos EUA e consultor em segurança aérea, manteve a aeronave afastada da cidade densamente povoada e a pousou no rio, alertando os passageiros para se prepararem para um "impacto".

Uma mulher quebrou as duas pernas, mas a maioria das pessoas escapou ilesa, com a exceção de sentir frio. Barcos resgataram os passageiros a partir das asas, onde permaneceram sob uma temperatura de 6 graus negativos, com os pés na água a 5 graus negativos.

"Aquele piloto é uma rocha", disse uma fonte policial ao New York Daily News, que estampou na primeira página "Herói do Hudson". "Depois da queda, ele estava sentado ali no terminal da balsa, usando seu chapéu, tomando café e agindo como se nada tivesse acontecido."

"Ele parecia absolutamente impecável", disse outro membro do resgate ao Daily News. "Ele parecia sereno. Seu uniforme estava perfeito."

O prefeito da cidade de Nova York, Michael Bloomberg, disse que, enquanto o avião afundava no rio, Sullenberger percorreu o corredor duas vezes para garantir que ninguém havia sido deixado para trás.

"Quando ele me telefonou, disse: 'Aconteceu um acidente'. Primeiro, pensei que fosse alguma coisa sem gravidade, mas depois ele me contou as circunstâncias e meu corpo começou a tremer e corri para buscar nossas filhas na escola", disse a mulher do piloto, Lorrie Sullenberger, à CNN.

Controladores de tráfego aéreo relataram que ele pode ter perdido ambos os motores do Airbus A320, projetado para ser capaz de voar com apenas uma turbina.

De acordo com detalhes reunidos a partir de controladores do tráfego aéreo e autoridades de aviação que tinham dados sobre o vôo, parece que todo o incidente de vários minutos aconteceu em um flash, exigindo que Sullenberger empregasse toda a sua experiência de 40 anos de vôo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG