Nova rota do tráfico reduz preço de cocaína na Europa, diz ONU

O preço da cocaína na Europa caiu dramaticamente nos últimos anos e deve cair ainda mais devido à mudança da rota do tráfico da droga produzida na América do Sul, segundo o relatório anual da agência da ONU contra drogas, a Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (INCB, na sigla em inglês), divulgado nesta quinta-feira em Viena. De acordo como documento, os traficantes estariam transportando cocaína para a Europa passando pelo oeste africano ou pelos Balcãs.

BBC Brasil |

A região africana teria, inclusive, se tornado um importante centro para o tráfico da cocaína vinda da América do Sul.

Além da mudança da rota, o documento afirma que a produção de cocaína aumentou 16% em 2007, em comparação com o ano ano anterior, nos principais produtores sul-americanos - Colômbia, Peru e Bolívia.

Na semana passada, autoridades britânicas disseram que o preço da cocaína havia caído pela metade nos últimos dez anos. Um grama de cocaína pode ser comprada por até 20 libras, cerca de R$ 67.

Segundo a INCB, os preços vão continuar a cair a menos que o fornecimento da cocaína seja cortado.

O presidente da INCB, Hamid Ghodse, afirmou que é preciso fazer mais para interceptar os carregamentos de cocaína e outras drogas.

"A rota de transporte para os traficantes se tornou relativamente fácil e menos suscetível à interdição", disse ele, que atribui a queda do preço ao aumento da oferta nas ruas.

O relatório anual da junta afirma que os principais produtores da droga na América do Sul estão mudando a rota de tráfico, evitando o Caribe e o Atlântico norte para escapar das patrulhas navais americanas e britânicas.

Os traficantes estariam procurando países com "fracas estruturas governamentais que têm capacidade limitada de se defender contra traficantes de drogas e suas consequências, como corrupção e abuso de drogas", diz o documento.

Os Bálcãs - tradicionalmente usados para traficar heroína do Afeganistão e da Ásia central para a Europa ocidental - estão cada vez mais sendo usados como rota para o tráfico de cocaína para a Europa.

Também está crescendo o estoque de cocaína no oeste africano, de onde é traficada para a Europa, seja diretamente ou pelos Bálcãs, afirma o relatório.

A produção da cocaína também aumentou nos principais produtores sul-americanos, a Colômbia, o Peru e a Bolívia
A junta também destaca que gangues criminosas estão criando empresas fictícias para obter as substâncias químicas necessárias para fabricar drogas ilícitas como anfetaminas e ecstasy.

Ainda segundo o relatório, o Canadá se tornou a principal fonte de ecstasy para a América do Norte e um importante fornecedor para a Ásia.

Sobre ópio, a Jife afirma que o cultivo diminuiu no Afeganistão, mas que o país continua a responder por mais de 90% da produção mundial.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG