Nova onda de frio faz os americanos tiritar de norte a sul

Paco G. Paz Washington, 7 jan (EFE).

EFE |

- Uma nova corrente de frio ártico trouxe um manto de neve e ventos gelados para a maior parte dos Estados Unidos, com recordes de temperaturas baixas que afetam do norte do país até os estados sulinos da Flórida e o Tennessee.

Nas últimas horas, quase uma dezena de mortes foram registradas devido às más condições climatológicas, especialmente nos estados do sul, muito castigados pela crise e onde as casas não têm calefação.

Pelo menos quatro mortes relacionadas ao frio ocorreram no Tennessee, incluindo uma mulher de 81 anos que saiu à rua no domingo pela noite, e um doente de Alzheimer que morreu depois de ficar horas desorientado no pátio de sua casa em Nashville.

Na Carolina do Sul, também foi encontrado o corpo de um homem que buscou refúgio sob uma loja, detrás de um posto de gasolina, e no Mississipi um homem de 68 anos morreu também de frio em sua casa, onde a calefação havia estragado.

Uma mulher de 88 anos morreu ainda no norte do país de hipotermia na terça-feira, dentro de sua casa em Chicago, em Illinois, também porque não havia calefação.

Outra pessoa morreu ao se envolver em um acidente com diversos carros no Kansas, ao tentar desviar dos veículos que "patinavam" no gelo.

Nas cadeias montanhosas conhecidas como as Dakotas, tanto na do Norte como na do Sul, as temperaturas alcançaram os incomuns números de 45º C negativos o que, somado às grandes nevadas registradas, paralisou completamente essa região do território americano próximo ao Canadá.

Esta região do país ainda luta contra os mais de 75 centímetros de neve que caíram no final do mês passado e que, uma vez retirada de estradas, congelou formando grandes montanhas brancas com a consistência de uma rocha.

No entanto, terão de enfrentar outros 25 centímetros de neve mais que, segundo as previsões, devem cair nas próximas horas.

Os meteorologistas afirmam que as temperaturas registradas nas duas Dakotas bateram os recordes anteriores de 1979.

O mesmo ocorre com os 38º C abaixo de zero que estão sofrendo os habitantes do estado de Minnesota, conhecido como "o congelador dos Estados Unidos". São as temperaturas mais baixas nesse estado desde que se tem registro, em 1974.

A neve e o frio polar se transformaram também em um problema na região do noroeste dos Estados Unidos, conhecida como Nova Inglaterra, que inclui os estados de Maine, Vermont, New Hampshire e Massachusetts.

Na localidade de Burlington, em Vermont, caíram nos últimos dias 80 centímetros de neve, a maior quantidade dos 80 anos que se tem registro.

A onda de vento ártico chegou também ao sul do país, como na ensolarada Flórida, onde as autoridades declararam estado de emergência e lançaram mensagens de alerta para prevenir os agricultores de possíveis perdas de suas colheitas, especialmente de cítricos e vegetais.

Na quarta-feira, o governador da Flórida, Charlie Crist, emitiu uma ordem para permitir que os agricultores possam carregar caminhões acima do limite estabelecido para salvar as colheitas.

Em Orlando, onde ficam vários parques temáticos foram registradas temperaturas máximas de 8° C, outro recorde para este importante destino turístico da Flórida.

O Serviço Nacional de Meteorologia centrou sua atenção nos estados sulinos da Louisiana e Geórgia, diante da mistura perigosa de frio e neve que se espera para as próximas horas. EFE pgp/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG